Agricultura (Ed. 649)

Hoje toca ao mirtilo

27/02/2014 (Ed. 649)
Texto e fotos de • Jorge Sofia*

Hoje toca ao mirtilo

Nos últimos tempos as bagas azuis que povoavam o imaginário dos bosques da América do Norte dando de comer a ursos simpáticos, foragidos desesperados ou a simples perdidos desenrascados, tornaram-se no tema do dia da agricultura beirã.  “Blueberry” é mirtilo, e não mais um eterno mistério roxo no interior dos queques de compra.

Estes arbustos, que estão a ser plantados por toda a região, pareciam inicialmente de grande robustez, desconhecendo-se praticamente problemas fitossanitários dignos desse nome nessa cultura. Mas, eis senão quando, esse problema nos aparece, sob a forma de uma minúscula mosca, diminuta ao ponto de ser aparentada com as famosas moscas-do- vinagre ou mosquitos do vinagre. No entanto, tal como sempre nos foi dito o legado não está no tamanho, mas no “feitio”.

Ed649_Esquema-de-estragos

A praga que hoje vos apresento dá pelo nome de Drosófila- da- asa manchada ou mais cientificamente pela graça de Drosophila suzukii , sendo, como a mota, oriunda do Japão onde é vulgarmente conhecida como mosca da cereja devido aos danos causados neste fruto. Foi introduzida recentemente na América do Norte (2008) e na Europa (2009). Resulta esta introdução da grande circulação de materiais vegetais e da impossibilidade de os mesmos serem controlados na totalidade. Esta mosquinha gosta de uma grande diversidade de frutos, apreciando sobretudo os de pequena dimensão, não se acanhando perante morangos, mirtilos, amoras, framboesas, cerejas, ameixas, pêssegos , damascos, uvas, figos, dióspiros e kiwis. Provoca nestes frutos danos, como orifícios e podridões, que impedem a sua comercialização.

Trata-se de um insecto minúsculo (2-3 mm), de cor amarelada acastanhada e com olhos vermelhos, como já disse, semelhante à mosca-do-vinagre. No entanto, os machos de D. suzukii são facilmente identificáveis pois apresentam uma mancha negra nas asas (repare-se que o facilmente é relativo).

As fêmeas (a culpa é sempre elas, desde o  Pai Adão!) da mosca   para colocar os ovos, perfuram com um órgão localizado no seu abdómen a superfície do fruto, permitindo assim a instalação de oportunistas como bolores e bactérias. Desses ovos irão sair larvas que se vão alimentar da polpa. O fruto infestado pode colapsar alguns dias após a postura. As fêmeas procuram activamente frutos em maturação para realizarem as suas posturas. Geralmente, são colocados 1 a 3 ovos por fruto. Durante o seu tempo de vida, uma fêmea pode colocar 300-400 ovos! Estas moscas estão activas a temperaturas superiores a 10 °C e chegam a ter até 15 gerações por ano.

Este insecto é apenas disseminado através através do vôo das moscas ou da circulação de frutos contendo larvas ou pupas. O transporte de plantas sem frutos não propaga esta espécie.

Atendendo à importância que a cultura do mirtilo, alvo potencial deste bicho, vai ter nos próximos anos, fica bem alertar para a existência desta praga, porque cautela e caldos de galinha…Caso suspeite da presença deste ser vivo nos seus mirtilos ou afins, deve 1º avisar os serviços do Ministério da Agricultura da sua região, colhendo amostras de frutos em sacos de plástico (que deverá conservar no frio até à entrega) e todos os frutos com sinais de infestação devem ser removidos do campo e destruídos, preferencialmente, por fogo. A compostagem não é um meio eficaz de destruição desta espécie pois permite o desenvolvimento do adulto!

Se quiser saber mais sobre esta mosquinha, consulte a brochura do Instituto Nacional de Recursos Biológicos, disponível em http://www.inrb.pt/fotos/editor2/drosophila_suzukii__mosca_do_vinagre.pdf

(Como irá reparar eu também o fiz!).

Lembre-se de que se encontram disponíveis as inscrições para o Serviço de Avisos Agrícolas.

 

Para quaisquer dúvidas ou esclarecimentos, estamos disponíveis através do correio electrónico

jorge.sofia@drapc.mamaot.pt

* Engenheiro, Técnico Superior da Estação de Avisos do Dão / Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro

——————————————————————

Outros artigos

O xiléboro das fruteiras
O mistério das cenouras antropomórficas
O míldio ou águado dos citrinos
A Estrela-de-Natal e o seu alegre companheiro
A Gafa da azeitona
O Escaravelho das palmeiras
Os balaninos
Cancro do castanheiro causado por Cryphonectria parasitica (Murr) Barr.
A tinta do Castanheiro
O Bichado da maçã

Redação Gazeta da Beira