O Bichado da maçã

24/09/2013 (Ed. 639)

O Bichado da maçã

Traça de seu nome científico Cydia pomonella

Estamos na altura da colheita das maçãs. Ao contrário do que centenas de filmes de gatas borralheiras, brancas-de-neve, belas adormecidas e afins nos fizeram crer desde a mais tenra infância, as maçãs não saem todas incólumes, apetitosas e brilhantes. Mesmo que sejamos daqueles produtores que perdoam as manchadas, disformes ou pequenas com a desculpa de que quanto mais feias melhores, há um problema que torna impraticável o fruto. Falo do bichado, ou lagarta da fruta que criva os frutos apodrecendo-os.

Quem tem macieiras, pereiras ou marmeleiros no quintal e os está a colher agora conhece de certeza o problema. Na sua origem  uma traça de acção crepuscular (isto é voa de noite) que deposita ovos nas zonas mais protegidas dos frutos já formados, ou nas folhas da proximidade dos frutos. Como outros insectos esta traça de seu nome científico Cydia pomonella, tem um ciclo de vida com diversas fases de desenvolvimento – adulto, ovo, lagarta, pupa -.

O nosso problema começa com o ovo e prossegue com a lagarta, uma vez que os estragos sedevem apenas ao estado larvar do bichado. Os ovos começam a ser colocados quando já há frutos formados e as temperaturas crepusculares (entre as 18 horas e 22 horas) são agradáveis (em torno de 15°C), estes bichitos gostam também de noites com pouco vento o que lhes facilita a oviposição (depósito do ovo). Se as condições ambientais se mantiverem favoráveis, a lagarta desenvolver-se-á dentro do ovo, alimentando-se do seu conteúdo até romper a casca do mesmo e sair. Após a saída do ovo a lagarta fica exposta por um pequeno período, após o que penetra no fruto cavando um túnel que a conduz ao seu objectivo –as nutritivas sementes – Um sinal da sua presença é o serrim que deixa à entrada do túnel.

Após a saída do ovo a lagarta fica exposta por um pequeno período, após o que penetra no fruto cavando um túnel que a conduz ao seu objectivo

Pois é! A bicha não quer o fruto mas apenas as sementes. Se ela falasse, combinávamos e depois de comer a maçã remetíamos-lhe os caroços…O mundo não é perfeito! Toda esta descrição serve para explicar a especificidade e época adequada para os diferentes opções de combate a esta praga. Assim vemos que o risco dos seus ataques começará provavelmente em finais de Maio, pelo que tratar antes é desnecessário. O Serviço de Avisos, acompanha esta praga, tendo forma de saber quando surgem os primeiros adultos e quando são efectuadas as primeiras posturas, o que nos permite aconselhar produtos com acção ovicida/larvicida ou só com acção larvicida, tendo em consideração o desenvolvimento da praga. Simultaneamente prevê o aparecimento de uma segunda e eventual terceira geração. Para um combate eficaz ao bichado é fundamental acompanhar as Circulares de Aviso, seguindo mas suas indicações de tratamento. Para a escolha do fitofármaco a utilizar deverá ter em conta a recomendação expressa no aviso, o Intervalo de Segurança a respeitar e o seu modo de acção. Deverá também ter em conta  a persistência do produto sobre a praga (período durante o qual ele é eficaz) para poder calcular a época de renovar o tratamento.

Se a sua consciência lhe dita não utilizar produtos de síntese e se é adepto do modo de produção biológico, há diversas alternativas no mercado, nomeadamente soluções baseadas em Bacillus thurigiensis, uma bactéria que mata a larva. Tenha em consideração que a sua eficácia depende de ser aplicado de forma a encontrar a larva acabada de saír do ovo, depois será tarde demais. Algumas práticas também ajudam a controlar a população de Cydia pomonella:  remover todos os frutos caídos, cavar a terra para expor aos elementos e aos pássaros as pupas de Inverno do bichado e a minha favorita que é a colocação em meados de Julho de tiras de cartão canelado em torno do tronco das macieiras (sim, de todas!):  quando chega o Inverno as lagartas da última geração do bichado procuram resguardos no tronco, onde poderão aguentar o inverno, ora os cartões canelados proporcionam o resguardo ideal! Após a colheita das maçãs, normalmente em Outubro, recolhem-se o cartões já bichados e destroem-se. Procedendo assim reduziremos a população de bichado no pomar.

Como de costume, pode colocar dúvidas através do email jorge.sofia@drapc.mamaot.pt

Eng. Jorge Sofia

* Engenheiro, Técnico Superior da Estação de Avisos do Dão / Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro