António Moniz de Palme

Crónicas

Edição 731 (11/01/2018)

Falta de água e as promessas falhadas de sucessivos governos

Raios parta a ignorância dos políticos!!!

Todos sabemos o que foi e é a falta de água no Território Nacional. O Ministro Capoulas, após a casa roubada e ressequida com a extrema falta de água, aparece a público, com pompa e circunstância, a anunciar que o Executivo obteve a aprovação para avançar com o Plano de Regadio, pensando construir cerca de mais 90 mil hectares, metade dos quais no Alqueva…! Até parece que tal não estava já determinado há muito!!!

Convém alertar os leitores para não se deixarem enganar por este falso salvador das necessidades da Agricultura Portuguesa, em matéria de água. Quando se discutiu a Construção da Barragem do Alqueva, muita gente competente e sensata, atendendo ao avultado valor do investimento necessário para a instalar, preferia a edificação de pequenas barragens para a agricultura, estrategicamente localizadas, muito mais baratas que o megalómano Projecto do Alqueva. E tais barragens seriam muito mais eficientes na luta contra a seca que se previa, principalmente com as alterações climáticas que na altura foram evocadas e de que os nossos sapientes responsáveis, com a falta de visão que os caracteriza, na prática fizeram tábua rasa, não ligando nenhum a esse importante factor.

Bem, a Barragem do Alqueva lá teve a sua construção iniciada, porém, criminosamente não foi ultimada pela instalação dos instrumentos necessários para atingir os principais objectivos propostos. Por esta situação são responsáveis, os sucessivos governos, onde se inclui este Ministro, preocupados antes com outros interesses que não são os da Agricultura.

Já agora esclareço que estou a falar da Barragem do Alqueva, situada no Rio Guadiana, junto às arras de Espanha. A Barragem foi construída com o objectivo de permitir o “Regadio” de todo o interior alentejano, numa primeira fase, e permitir a imediata produção da necessária Energia Eléctrica. Mais tarde, seria feita, com o “Regadio”, a cobertura de outros territórios mais afastados.

Infelizmente, as obras são lançadas, são publicitadas nas alturas nevrálgicas das eleições e ficam a meio ou na mesmíssima situação. Lá o maior lago da Europa foi construído, mas as estruturas e os canais necessários para regar as terras secas, principal objectivo deste monumental investimento, ficaram no tinteiro, não sendo cumprido minimamente aquilo que havia sido prometido. Raios partam os políticos que enganam permanentemente o Zé Povo…!

Bem, pelo menos essa grande barragem transformou-se num chamariz turístico, bem aproveitado pelos “Nuestros Hermanos”, que logo se associaram à edificação de uma marina e iniciaram a exploração de barcos de recreio de diverso calado, para passeio nas águas da Barragem, o que foi um negócio bem chorudo….

E não pensem que a construção não custou sacrifícios humanos. Foram eles incalculáveis, nem vos passa pela cabeça…! Calculam o que terá sofrido a população da Aldeia da Luz que viu a sua terra submersa pelas águas da Barragem. Claro que foi construída uma Aldeia da Luz nova, moderna e bem integrada na paisagem, mas as dores dos que ficaram com os seus mortos debaixo de água e com as suas coisinhas tiradas da circulação, por ficarem alagadas, não tem preço.

Pois bem, perante a falta da água, falam agora os responsáveis em termos que até parece que do facto não têm a maior das responsabilidades pela sua falta de previsão. Perante a calamidade que se avizinhava com centenas de cabeças de gado mortas à sede, como um remendo de última hora, foram atribuídos fundos para tentar resolver a calamitosa situação. Na altura, tiveram medo que lhes fossem pedidas legítimas contas pela incompetência causadora dos males que se estavam a verificar. Mas, a situação continua, falam nos investimentos de milhões de euros para calar a boca aos papalvos, mas não se lembram que seria bem mais oportuna a criação de linhas de crédito e incentivos para os agricultores poderem planear o armazenamentos de água na sua agricultura, criando ou aumentando as reservas já existentes, com a necessária participação estatal e com uma parte a fundo perdido. À primeira vista, parece ser tal medida fundamental. Como é que os responsáveis até à data ainda nada fizeram e legislaram nesse sentido? Esta a situação, quando se prevê a continuação da falta de água nos próximos anos! Os nossos políticos não conhecem os problemas da terra, gastam-se demais pelos restaurantes e botequins das calçadas da Capital, como se dizia no século passado. Se soubessem e tivessem alguma vez verificado o que são árvores com stress, feridas de morte pela falta de água, já estariam mais atentos às necessidades prementes dos agricultores e da terra que produz o que todos comemos às refeições.

 

————————————————————————————————

Mais artigos:

Aventuras e Desventuras da Ordem de Malta – Primeira Parte
A Incompetência gritante de quem gere os destinos do País
PADRE ANTÓNIO VIEIRA
Os Santos, Vítimas do Extremismo Religioso
A Herança Estalinista no Partido Comunista Português
O cavaquinho português transformado no instrumento musical nacional do Havai
O nosso Abade de Baçal, involuntariamente, foi a grande estrela do Último Encontro dos Estudos Judaicos, em Torre de Moncorvo
Quem Cabritos vende e Cabras não tem…
As empresas públicas de comunicação social e os finórios que as servem
TO BE OR NOT TO BE – Acreditar ou não, eis a questão!!!..
“Quem salva uma Vida, salva o Mundo Inteiro” (2ª parte)
Finalmente, começam os responsáveis deste País a não esconder a figura de um dos maiores Homens Portugueses do Século Passado – 1ª parte
Timor, crimes cujos autores nunca foram julgados nem punidos, para exemplo futuro
Timor, nossa irmã tão querida e tão martirizada (parte 1)
Já nos deixou há trinta anos, Zeca Afonso, um bom exemplo de um Santo Moderno
Desaforo republicano inqualificável
Más notícias?!!!. Vira essa boca para lá…
Os “Assassinos” não são intelectualmente antepassados dos actuais extremistas muçulmanos…!
As barbas revolucionárias de Fidel de Castro representam uma fortuna pessoal maior do que a da Rainha Isabel de Inglaterra!!!
EUROPEUS, Os Novos Mortos Vivos do Panorama Mundial
Umas fanecas históricas com EFES à mistura
Fogo na mata. Acudam!!! O diabo anda lá à solta com uma tocha na mão!!!
Porto Santo, a antiga irmã pobre da Madeira (2ª Parte)
Madeira, a verdadeira Atlântida, no que toca a beleza e mistério (1ª Parte)
A leitura do livro “De Lamego ao Lubango” de Miguel Henriques e a consequente Peregrinação Interior
PARABÉNS BOMBEIROS DA NOSSA TERRA
O Apelo misterioso de África e o Medo da actual realidade
O Culto da Imaculada Conceição e a Santa da Máscara de Seda – 2ª Parte
Manuel Guimarães da Rocha (Homenagem pela Câmara Municipal de S. Pedro do Sul)
Beatriz da Silva, uma Santa bem Portuguesa – 1ª Parte
60º Aniversário da Casa da Beira Alta do Porto
A inoportunidade de certos feriados
• Como a errada filosofia que informa a União Europeia parece ser a mesma que fundamenta o exercício político de Deng Xiao Ping!!!
O Homem está a cometer um suicídio a curto prazo, se continuar a não respeitar a Irmã Natureza. – 1ª Parte
A atracção de África e o espírito lafonense
Tenebrosos sonhos ditatoriais da tenebrosa república que temos
Lagarteira, um antigo solar das Terras Lafonenses que faz parte do seu roteiro romântico
O Património e a História local pertencem à colectividade
Tentação de Desertar, maleita que começou a contaminar muito boa gente
A Grécia, a fundadora da Democracia, e a distorção nesta feita pelos organismos europeus e partidos políticos caseiros
António Rebordão Navarro, o poeta e escritor dos tristemente abandonados dentro de si mesmo, e dos marginalizados pela sociedade
Tios, Tiozinhos e Comp. Lda.
O miserável saque de bens portugueses feito pelas tropas napoleónicas, chefiadas por Junot, e o comportamento corajoso do Poeta e Escritor Vasco Graça Moura. – 4ªparte
A lenda e o espólio da campanha – 3ªParte
O rapinanço dos bens portugueses pelas tropas napoleónicas a pretexto da Guerra Peninsular  (Parte 1 e 2)
A Revoltante indiferença internacional perante o que se passa na Nigéria- 3º Parte
E agora como remendar a actual situação? Terá chegado a eliminação física dos matadores dos jornalistas ?- 2ª Parte
Charlie ou Malhas que o diabo tece- 1ª Parte
A Famigerada Lei do Indigenato – 2ª Parte
Um Grande Senhor do Panorama Político Português – 1ª Parte
Francisco Sousa Tavares e Sophia Mello Breyner Andersen (1ª parte)
Orlando Carvalhas, um dos Gémeos de Ouro da minha juventude
A lamentável e triste saga da divisão da C.P. e da criação da Refer (Continuação)
Um Vice-rei do Norte, campeão da liberdade democrática
A lamentável e triste saga da divisão da C.P. e da criação da Refer (Continuação)
A Centenária Primeira Grande Guerra já estará esquecida pelos portugueses?
Dia Um de Novembro, Dia de Todos os Santos e o Culto dos Mortos – 2ª Parte
Um Regresso Imaginário que se transformou numa real e concreta Revisitação
Cemitérios e a sua imprescindível faceta social – 1ª parte
Vasco Graça Moura, uma explosão intelectual permanente
A defesa dos interesses portugueses, através da comunicação social – 3ª parte
Lançamento de um bom livro, que veio certificar o alto nível intelectual do seu autor
Amêijoas à portuguesa fora de portas – 2ª parte
Quando fora do território nacional vemos a influência da nossa história e da nossa gente, sentimos um profundo e legítimo orgulho – 1ª parte
A maldita influência da Moda Política praticada além fronteiras
Somos sempre uns eternos pacóvios perante o que vem lá de fora, mesmo que nos prejudique gravemente…! (2)
E como não podia deixar de ser, um toque refinado pseudo francês (5)
As Morcelas e demais Enchidos e a nossa Beira (4)
Novo cenário para esta tragicomédia, com artistas bem do nosso agrado: Os enchidos (3)
Os preliminares da “Matação” e a parte social desta função (2)
O Porquinho caseiro faz parte da família (1)
O espírito do mal em luta contra os Valores Fundamentais
O futuro das nossas Reformas e Pensões e as dúvidas sobre a sustentabilidade da Segurança Social. Quem é responsável pela actual situação?
A maldita influência da Moda Política praticada além fronteiras  (parte 1)
As frustrações do dia a dia e a violência desportiva