Pensamentos Impróprios

Crónicas do Olheirão

olheirao_CronicasA propósito da crise, da troika e da falta de ideias tanto à direita como à esquerda para lidar com a situação económica e social acorrem-me alguns pensamentos, por ventura,  poucos próprios da quadra do Natal.

A direita está muito mais preocupada em fazer aumentar as desigualdades e as injustiças do que em resolver a crise e devolver esperança aos portugueses, mas a esquerda além da cassete, já um pouco estafada, da renegociação da dívida, da redução dos juros, dos cortes nas PPPs e do crescimento económico, não se mostra capaz de alinhar duas ideias que a gente possa considerar capazes de resolverem algum dos nossos problemas.

Talvez por ser Natal  ocorre-me a dúvida de saber se o nosso país é uma comunidade de pessoas que se consideram interdependentes e solidárias umas com as outras ou se somos um conjunto de grupos ou de pequenas tribos que habitam o mesmo território.

O nosso estado nunca foi suficientemente forte para defender eficazmente o bem comum e sempre tem sido dominado por grupos particulares e sido  fraco ou mesmo serviçal perante os grupos poderosos.

Agora são os capitalistas e os banqueiros do mesmo modo que em tempos idos foram os nobres e os senhores das terras.

A nossa maior dificuldade, em quanto nação, tem sido em conseguir interpretar o que é o bem comum e em criar um estado capaz de o defender.

Este problema existe desde sempre, apenas acontece, que agora, as pessoas estão mais informadas das muitas injustiças.

A solução dos nossos problemas precisava de um Estado preocupado com o bem comum, pois Portugal tem dificuldade em conseguir recursos para as despesas com salários, pensões e os encargos da dívida, que se foi acumulando por pressão de interesses internos e externos.

Não conheço nenhum estudo que fundamente o que vou dizer, mas começo a pensar que há que refazer todo o sistema de pensões de reforma, pois o modo como atualmente está organizado torna-o o grande alimentador do sistema financeiro.

Regra geral, os descontos pagos pelos trabalhadores e pelas empresas significam cerca de um terço dos salários. Assim, todos os meses esse dinheiro é depositado em fundos de pensões dos estados ou das empresas, passando, por esta via, da economia produtiva para a especulação financeira um número incalculável de dólares e euros, que depois vão ser investidos em ações ou, o que é mais seguro, em dívida dos estados, como Portugal e os outros quase todos.

A maior parte deste dinheiro volta à economia sob a forma de pensões mas muito evapora-se entre a especulação financeira e os offshores.

É facto que não há nenhum fundo de pensões da segurança social ou mesmo das empresas que tenha dinheiro para pagar as reformas a que está obrigado se cessarem as contribuições.

É neste quadro que a questão das pensões em Portugal tem que ser analisada e por isso não alinho no coro da unanimidade em torno da decisão do Tribunal Constitucional de chumbar, por unanimidade, a convergência das pensões dos funcionários públicos com o regime geral.

Não defendo o corte das pensões de ninguém, mas deve fazer-se uma discussão séria e não vejo no veto do Tribunal Constitucional nenhuma solução, apenas a continuação do problema.

Sobre a questão da confiança direi apenas que tenho três filhos e que uma das primeiras medidas de austeridade do governo Sócrates, foi cortar-me o abono de família, e nessa altura não houve nenhum presidente,tribunal ou partido que levantasse o problema da confiança.

Como também não percebo porque não foi declarado inconstitucional o facto de o governo me obrigar a trabalhar mas quatro  dias por ano pelo mesmo salário. Contas feitas as medidas aprovadas pelo Tribunal Constitucional já fizeram diminuir o meu salário real o em 15%.

A questão da confiança é importante para todos e não apenas para uma geração mas não  basta como critério para que se encontrem soluções. Tem sido este, aliás, este o argumento do governo para não corta em alguns interesses financeiros instalados.

——————————————————————————

Mais artigos

A sorte de não terem uma Ordem
Pessoas ou obreiras?
Marketing ou abuso de posição? (Ed. 641)
As autárquicas também foram um voto de esperança (Ed. 640)
Eleições em Oliveira de Frades (Ed. 639)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.