Viagem pelas atividades da Fragas

• Daniela Figueiredo, Manuela Tavares, Paula Chainho e Luís Ribeiro

Dias nas Fragas

Atividades com a Escola de Oliveira de Sul

Em Março de 2017 foi assinado um protocolo entre a Associação Fragas e a junta de Freguesia de Sul em que a Associação se comprometeu a realizar uma serie de atividades no ano de 2017 para a Comunidade Escolar, abrangendo crianças do ensino pré-primário e alunos/as do ensino básico.

As atividades já realizadas com sucesso foram as seguintes:

Dia Mundial da Água no dia 22 de Março de 2017

Dia da Música no dia 5 de Maio de 2017

Dia da Biodiversidade no dia 22 de Maio de 2017

Dia do Ambiente no dia 14 de Junho de 2017

Dia Internacional da Paz no dia 21 de Setembro

Igualdade de Género no dia 27 de Outubro de 2017

Direitos dos Animais  no dia 3 de Novembro de 2017

Dia Europeu da Alimentação Saudável no dia  6 de Novembro de 2017

Ainda temos programadas mais uma atividade para este ano que se irá realizar no dia 11 de Dezembro onde as crianças vão puder observar e participar na arte de tecer que terá a participação das  mulheres da aldeia de Rompecilha.

 

Limpeza do percurso Fujaco-Loureiro

No dia 18 de Março realizou-se, finalmente, uma caminhada dinamizada pela Câmara Municipal de São Pedro do Sul, no percurso Fujaco-Loureiro, tendo sido este caminho limpo pela Junta de Freguesia de Sul, com o apoio da Câmara Municipal, a pedido da Associação Fragas. Há muito que o Sr. Amadeu Ferreira, nascido no Loureiro, reclamava que a aldeia mineira do Loureiro fosse mais conhecida na sua história e no enquadramento paisagístico.

 

Workshop Pão de Ló

No dia 18 de Março realizou-se um workshop sobre pão-de-ló, na sede da Associação Fragas, dinamizado pela nossa associada Lúcia Ferreira, que demonstrou a sua arte em doçaria regional perante cerca de 3 dezenas de participantes, que provaram a delícia deste bolo típico da Freguesia de Sul.

 

Inauguração do Espaço Fráguas II

De um antiga casa – palheiro, onde se pisavam as uvas num lagar e se via nascer o vinho e a aguardente, memórias de um tempo que se quer reencontrado, nasceu há um ano o espaço Fráguas I, que se transfigurou para receber um tear, muito perto do lugar onde a tia Silvia elaborava com ancestral saber os seus tapetes artesanais. Como prolongamento deste espaço, e com o mesmo objetivo de acolher atividades culturais e dar apoio à Associação Fragas-Aveloso, foi inaugurado o espaço Fráguas II no dia 13 de Agosto, com a exibição do filme “Intriga Internacional” (NorthbyNorthwest) de Alfred Hitchcock, por ocasião da celebração do seu nascimento em 1899.

 

Inaugurado o passadiço das Fragas

No início de Agosto de 2017 Aveloso de Sul passou a integrar o Passadiço das Fragas no seu património arquitetónico. Obra de engenharia de Bernardino Fontinha, artista da família dos Fontinhas de Reiriz, conta com um conjunto de degraus artesanais e bastante firmes, que permitem desfrutar as vistas das Fragas de Aveloso em novos ângulos, passando por veredas antes acessíveis apenas aos mais audazes, no íngreme acesso à Associação Fragas-Aveloso. A construção deste Passadiço é motivo para realçar o trabalho inigualável do Sr. Bernardino nas Fragas, que tem assegurado a manutenção do património arbóreo, arbustivo e hortícola da Associação e proprietários vizinhos, mas também a criação de verdadeiras obras de artesanato, como é o caso de uma réplica de um espigueiro da região. O Sr. Bernardino é incansável nos cuidados ao jardim das Fragas, à horta que produziu suculentas couves, cebolas e tomates, à reabilitação de património etnográfico das Fragas e ao Fragosito, mascote das Fragas que reconhece o Bernardino como o seu protetor e companheiro de passeios. Obrigada Sr. Bernardino!

 

4ªEdição do Festival das Fragas

Nos dias 17, 18, 19 e 20 de agosto teve lugar a 4ª edição do Festival das Fragas, organizado pela associação Fragas-Aveloso, que centrou as suas actividades na Freguesia de Sul e na aldeia de Rompecilha. O lema deste Festival foi “Agir em cooperação para valorizar as pessoas e as aldeias” e a Fragas-Aveloso procurou reforçar as relações de amizade e de parceria que tem vindo a desenvolver com as associações de Rompecilha, Oliveira de Sul e a comunidade de Covelinhas.

 

Neo-pós, qualquer coisa… de Paulo Quintela

O Festival teve início com a inauguração da exposição de pintura de Paulo Quintela, no dia 17 de Agosto, como forma de homenagear o autor de um dos maiores patrimónios audio-visuais recolhidos na região de S. Pedro do Sul, que contou com a presença da vereadora da Cultura de São Pedro do Sul, Teresa Sobrinho, e do Presidente da Junta de Freguesia de Sul, Pedro Maurício.

 

As vozes de mulheres vão à igreja

A noite de 17 de Agosto terminou com um concerto que valorizou os cantares tradicionais (grupo de cantares de Adaúfe) e realçou a qualidade emergente do grupo ARS Nova que, uma vez mais, tiveram o enquadramento sublime da igreja de Sul. Um agradecimento muito especial ao Padre Lindoval, que tem acolhido estas manifestações de arte tradicional na igreja de Sul.

 

Os avós animaram Oliveira

No dia 18, o grupo “A Voz do Rock” cantou em grande estilo no largo do Espírito Santo, em Oliveira. Com uma maioria de elementos na faixa etária dos 80, os avós do rock fizeram os espetadores de todas as idades bater o pé e aplaudir com entusiasmo.

 

As ARCAS de Covelinhas

Neste festival quisemos valorizar os saberes ligados ao ciclo do linho, à lã tecelagem em tear, tendo fechado o programa musical do dia 18 o grupo do ciclo da lã de Covelinhas, com os seus cantares e uma demonstração do processo de preparação da lã. A comunidade da aldeia de Covelinhas está de parabéns pois entretanto criam a associação ARCAS. Façam renascer os saberes da aldeia!

 

Cine-Aldeia na eira das Fragas

O dia terminou com a exibição dos documentários “Sementes da Liberdade” e “A Ponte Q´eswachaka“, sobre a importância da preservação da diversidade de sementes e do trabalho coletivo, respetivamente. Estes documentários motivaram a discussão sobre a importância da soberania das sementes e do espírito comunitário e nem o fresco da madrugada arrefeceu o interesse do debate.

 

A ribeira da Vagem continua de boa saúde

No dia 19 o festival começou logo de manhã na ribeira da Vagem, com a ação “Há Vida no Rio”, mais uma vez organizada no âmbito do programa Ciência Viva. Os participantes espreitaram as minas, caminharam pelas levadas, visitaram os moinhos de água a avaliaram a qualidade da água da ribeira, tendo concluído que a mesma é excelente e, por esse motivo, terminando a atividade com um banho na ribeira.

 

Já se tece no tear das Fragas

Na tarde do dia 19 o Espaço Fráguas, em Aveloso de Sul, acolheu um workshopde tear meticulosamente orientado pela D. Dorinda Fonseca, em que os/as participantes aprenderam as técnicas seculares da tecelagem. Os tapetes das Fragas estão cada vez mais elaborados, com padrões variados e novas técnicas.

 

As concertinas animam Oliveira

O final do dia 19 foi passado no Jardim do Espírito Santo em Oliveira de Sul, com o Encontro de Concertinas abrilhantado pelo grupo de concertinas “Os Vouguinhas” e os grupos de concertinas de Rompecilha e Pesos. O encontro prolongou-se pela noite dentro, com cantares ao desafio, comes e bebes e venda de artesanato local.

 

A ribeira da Rompecilha e os usos da água

O dia 20 arrancou novamente com a ação “Há Vida no Rio”, desta vez realizada na ribeira de Rompecilha, com o apoio da Associação Cultural e Desportiva da Rompecilha. Tivemos o privilégio de ver como o linho é demolhado na ribeira, de ver o moinho de água a moer o milho e de visitar a azenha do Sr. Arlindo. Os participantes concluíram que a qualidade da água de ribeira é boa, exceto no troço que atravessa a aldeia, para o qual se prevê uma mudança em breve, com a ligação da povoação à rede de saneamento.

 

O balanço da Assembleia Geral e o encerramento do Cine-Aldeia

O Festival das Fragas terminou com a realização de mais uma Assembleia-Geral da associação Fragas-Aveloso e a apresentação do filme da ópera A Flauta Mágica, de Mozart, uma das várias obras exibidas no Cine-Aldeia, que teve início no dia 13 de Agosto e foi dinamizado por Luis Ribeiro.

 

Debate Gestão da Floresta e Combate aos Incêndios, seguido do convívio da castanha

O debate, realizado no dia 4 de Novembro, na sede da Fragas, permitiu perceber as diferentes visões de autarquias, produtores florestais, bombeiros e moradores das aldeias de Sul sobre os possíveis caminhos a seguir para que as aldeias estejam futuramente mais protegidas dos incêndios dizimam as florestas da região. A presença dos moradores das aldeias de Açores, Rompecilha, Covelinhas, Oliveira e Aveloso de Sul acentuaram o seu interesse sobre o tema e a necessidade de encontrar possíveis soluções para aumentar a resiliência das nossas aldeias aos fogos. A integração de pequenos proprietários em Associações de Produtores Florestais, a criação de centrais de biomassa de pequena escala em zonas com elevada produção de combustíveis, a escolha de espécies mais resilientes ao fogo, a criação de linhas de financiamento para a gestão da floresta, que incluam a disponibilização de mais meios humanos para a gestão e proteção das florestas foram algumas da medidas discutidas. Depois do aceso debate, a caruma voltou a assar castanhas na eira das Fragas, com a orientação e mestria do “Beleza”, que garantiu o sucesso do Magusto nas Fragas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.