Pedro Giestas é o reforço de peso

Grupo de Teatro da Jovouga inicia novo projeto com novas caras

Em 2012, a Jovouga criou o grupo de teatro, o primeiro projeto do concelho de Sever do Vouga, dois anos depois, foram já muitas as vezes que subiram ao palco. Em dezembro, o grupo começa um novo projeto com novos elementos e um novo diretor artístico: Pedro Giestas.

PC jovougaO Grupo de Teatro da Jovouga arranca em dezembro, com novas caras e uma mão cheia de projetos. “O nosso grupo está revigorado e rejuvenescido”, garante Paulo Cruz. Pedro Giestas é o “reforço de peso” do grupo. “A participação de Pedro Giestas será, para além de toda a aprendizagem, um claro fator de motivação. Penso que Pedro Giestas é uma mais-valia em qualquer projeto seja ele de teatro ou televisão. Poder trabalhar com uma pessoa de tamanha experiência só trará coisas boas para a Jovouga.”, defende o presidente da coletividade.

Paulo Cruz garante que as saídas não vão afetar o grupo, antes pelo contrário. “O grupo ficou mais unido e coeso. De forma alguma as saídas irão afetar o grupo. As saídas de atores foram colmatadas com a entrada de 3 jovens dinâmicos, dois dos quais dirigentes da Jovouga, o que nos traz, para além de um reforço das relações de amizade entre o grupo, uma certeza de que todos queremos o melhor para a Jovouga”.

Os novos projetos

Em 2015, o grupo de teatro continua a ser uma das grandes apostas da Jovouga. E há já muitos projetos em cima da mesa. “Este ano pretendemos dar-nos a conhecer. Haverá novas peças que procuraremos apresentar em Cedrim, Sever do Vouga e estamos já a estabelecer contactos para poder apresentar o espetáculo em toda a região. Outro dos nossos objetivo é estabelecer intercâmbios com outros grupos e associações”.

Vontade há que sobre, a questão financeira é a grande batalha que a associação trava para conseguir afirmar o grupo. O dirigente mostra-se confiante: “estamos a trabalhar em várias candidaturas e a procurar apoios e sinergias, o projeto tem muito valor e estamos confiantes que vamos conseguir levar o projeto a bom porto”.

“Passamos de amadores a profissionais”

Tudo começou com “os textículos à vista”; depois “cada macaco no seu galho”; mais recentemente “o fim procura-se”. Paulo Cruz faz um balanço positivo dos primeiros anos deste que é o primeiro projeto de teatro de Sever do Vouga. “Conhecemos as nossas origens e nunca deixaremos de trabalhar para Cedrim. No entanto, este projeto já ultrapassou as fronteiras da freguesia. Trabalhamos para o concelho e acredito que em 2015 teremos espetáculos em toda a região”, sublinha.

Paulo Cruz acredita que nestes anos “o grupo evoluiu em todas as linhas” e diz mesmo que, hoje, já não se consideram amadores. “Se o profissionalismo é trabalhar e receber dinheiro em troca, então não somos claramente profissionais, agora se é dedicar-se e entregar-se com esforço em prol de uma causa, neste caso no Grupo de Teatro da Jovouga, passamos de amadores a profissionais (não remunerados). Temos limitações, grandes limitações, mas trabalhamos nelas, cada um como pode, mas todos com seriedade”, defende o dirigente.Redação Gazeta da Beira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.