Oposição quer que o pessoal da Câmara que está no Centro Escolar seja gerido pelo Agrupamento de Escolas

Atualmente gerido pela Câmara Municipal

No arranque do ano escolar, o ensino foi tema forte na última reunião de câmara, realizada na passada terça-feira, dia 22 de setembro, com a oposição a entregar um requerimento com uma série de questões relativas ao balanço do ano letivo 2014/2015 e ao planeamento do novo ano. Entre as questões destaque para o proposta dos sociais-democratas para delegar a gestão dos funcionários da Câmara Municipal que estão no Centro Escolar à Direção do Agrupamento. Em resposta Teresa Sobrinho diz que só não o faz, porque os funcionários da câmara não iriam aceitar essa alteração.

 

DSC00557

Do requerimento, no total constavam 13 pontos, foi o último que gerou mais discussão. “Por que razão não celebrou o município protocolo específico sobre estas matérias com o Agrupamento Escolar e não delegou toda a gestão funcional incluindo funcionários municipais do Centro Escolar, na Direção do Agrupamento e suas equipas?”, questionou Adriano Azevedo. Teresa Sobrinho garantiu que esse assunto já foi abordado com o Agrupamento de Escola que preferiu a atual parceria. Como explica a vereadora, “o que foi falado foi que, nós passamos a gestão para o Agrupamento de Escolas, mas, então, também só lhe damos o rácio de funcionários que o Ministério da Educação obriga a Câmara a dar. E isso equivale a metade das funcionárias que está no Centro Escolar”.

Perante este cenário o Agrupamento preferiu deixar tudo como estava. Teresa Sobrinho defende a parceria. “Nem eu tomo nenhuma decisão sem o diretor do Agrupamento de Escolas de SPS saber, nem ele o faz sem eu saber. Até à data, a nossa parceria funcionou perfeitamente. Nunca houve nenhum problema, aliás, reunimos frequentemente para limar situações que surgem”.

Adriano Azevedo voltou a insistir na sua tese. “Então só passariam a gestão do pessoal do Centro Escolar para o Agrupamento se dessem menos pessoas do que aquelas que lá estão. Por ser a Câmara a gerir o pessoal que está no Agrupamento podem ser “X” pessoas, se passar para o Agrupamento a gestão desse pessoal já vamos cortar nas pessoas? Penso que devia ser exatamente o contrário, quem está no terreno, quem sabe as necessidades, quem sabe os problemas é que deve gerir.”

Teresa Sobrinho garantiu que “para o Município era muito mais fácil passar a gestão para o Agrupamento. “Acabava-se logo como 95% do ruído”, destacou. Só não o faz porque os colaboradores da Câmara não aceitam. “Efetivamente são pessoas que estão efetivas na Câmara Municipal. As pessoas estão lá por livre e espontânea vontade. Se for o Agrupamento a gerir, elas não se sentem à vontade para continuar, e eu não as posso obrigar, quando as competências delas não têm que ver com a área da educação”, justifica.

Município garante que não houveram cortes

A oposição quis saber, ainda, qual o motivo para a redução de horário das trabalhadoras no período de férias escolares. “Terá sido um motivo unicamente financeiro, que teve como consequência a desorganização do serviço e, paralelamente a redução drástica do rendimento destas trabalhadoras, já por si baixos”, questionou Adriano Azevedo. A resposta foi dada por Pedro Mouro: “os contratos expiravam em meados de junho.

Podíamos ter deixado expirar o contrato e celebrar outro no início do ano letivo, mas, o que fizemos foi que os funcionários continuassem cá no período de verão e dessem apoio ao ATL. Assim, acabaram por ter algum rendimento que não teriam se tivéssemos findado os contrato em junho e celebrado um novo em setembro. Uma redução de 50% faz sentido, uma vez que só tínhamos o ATL e algumas escolas a funcionar”.

O Vice-presidente garantiu que o assunto foi articulado diretamente com os funcionários e não houve poupanças. “Do ponto de vista financeiro, não houve nenhuma contenção, antes pelo contrário, acabamos por ter um gasto superior do que estava previsto”.Redação Gazeta da Beira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.