Mário Pereira

Notícias dos dias que correm

Ed675_olheiraoO Jornal Expresso do passado dia 3 de Abril de 2015 trazia na pagina doze do caderno de economia algumas notícias sobre as remunerações das administrações das empresas cotadas na Bolsa de Lisboa, das quais destaco:

– A REN quer dar ao trabalhadores um aumento de 0,8% mas a administração custará 26% mais.

– Os CCT subiram os gastos salariais com a administração em 83%, tendo a remuneração anual do CEO Francisco Lacerda passado de 175 mil euros para 450 mil, mais 175%.

– A EDP gastou com o conselho de administração executivo mais 15% do que em 2013, sendo que António Mexia, o presidente executivo, auferiu 1,15 milhões de euros mais 16% do que em 2013.

– Na GALP as remunerações com a administração subiam 9% em 2014, cabendo ao presidente executivo 1,72 milhões de euros, mais 4,7% do que em 2013.

– A ALTRI subiu os custos com os administradores em 31%.

– A EDP Renováveis aumentou os administradores em 16%.

Não é fácil acreditar mas são empresas portuguesas.

Mais fácil é ver algo de estranho nisto, pois este é o mesmo país  em que o desemprego aumentou e em que a média de salários nos novos contratos de trabalho celebrados em 2014 não foi além de 580 euros.

Quando o governo diz que a economia está a recuperar e que a a situação está melhor deve estar a pensar nos administradores destas e doutras empresas.

Embora alguns governantes possam nem ter consciência disso o objetivo das políticas que prosseguem é assegurar a transferência de mais rendimentos do trabalho para o capital, o que na prática significa transferir mais riqueza para o 1% das pessoas mais ricas.

O aumento das administrações das empresas muito acima dos aumentos dos trabalhadores é um fenómeno mundial e torna-se possível porque os grupos económicos conseguiram que os estados e os governos dos diversos países assumam sobretudo o papel de garantes dos seus negócios   e dos seus lucros.

A somar a estes dados vamos sabendo que há empresas que pedem dinheiro aos bancos para pagarem dividendos aos seus acionistas e até os prémios aos seus gestores.

Não deixa de ser extraordinário que apesar das empresas estarem fortemente endividadas,  a percentagem dos lucros reinvestida nas empresas seja, regra geral, mínima quando comparada com o que é distribuído pelos acionistas.

Aqui chegados as questões  não são só de legalidade ou de teoria económica mas são sobretudo de ordem moral.

O pouco respeito pelos trabalhadores surge como natural, mas é caricato que os mais ricos também não mostrem respeito pelas empresas, que cada vez mais são usadas apenas como  instrumentos para conseguir a melhor remuneração do capital.

A Comissão Parlamentar sobre o BES veio mostrar como no emaranhado de empresas do Grupo Espírito Santo algumas foram criadas apenas para esquemas cujo objetivo era enganar os outros acionistas, o público em geral, o estado ou todos.

A questão não pode ser a de saber se as empresas e as pessoas cumprem a lei, mas sim saber se o que fazem  está certo ou errado.

As pessoas que se beneficiam com estas decisões serão muito estimáveis, certamente se orgulharão dos seus valores morais e de serem muito solidárias para com os pobres.

Independentemente destas questões morais, tenho dificuldade em compreender como elas conseguem dizer a trabalhadores precários, alguns a quem pagam o salário mínimo ou ainda menos, para se empenharem nos objetivos da empresa ou como algumas delas conseguem escrever nos jornais ou irem à televisão defender a austeridade para os trabalhadores e os pobres e dizerem, sem se rirem, que a culpa da crise é dos pobres e de quem trabalha porque temos vivido acima das nossas possibilidades.Redação Gazeta da Beira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.