Mário Pereira

Há algo de errado nisto

Surgiram recentemente algumas notícias sobre o facto de António Costa,  líder do PS e  ainda Presidente da Câmara da Lisboa, ter vivido alguns anos num apartamento de luxo na Avenida da Liberdade, cuja renda seria maior que o seu ordenado com Presidente da Câmara de Lisboa.

O primeiro pensamento foi que teríamos mais um político a viver acima das suas possibilidades, mas logo depois surgiu uma informação que afasta essa suspeição e explica  a origem do dinheiro, mas coloca outras interrogações.

A explicação para os rendimentos, que lhe permitiram viver na Avenida da Liberdade, está no facto de há muitos anos a esta parte o Dr. António Costa  ser comentador no Programa Quadratura do Círculo na SIC Notícias que lhe pagava mais do que recebe como Presidente da Câmara de Lisboa.

A verdade é que ao assumir a liderança do PS o Dr. António Costa teve de deixar os comentários na SIC Notícias e provavelmente outras avenças em jornais e revistas. Com isso, além de ter arranjado uma série de chatices, deixou de ter dinheiro para pagar a renda de casa  na Av. da Liberdade e voltou a morar na casa que sempre teve.

Esta história, que tem sido apresentada como uma prova de pouca  idoneidade de António Costa, traz à evidência a dupla moral e a hipocrisia com que os meios de comunicação social tratam a política e os políticos.

Ao mesmo tempo que é muito fácil encontrar na televisão jornalistas, incluindo alguns que foram diretores da SIC Notícias, a fazerem discursos infamados contra as regalias dos políticos as televisões consideram normal pagarem, a um ex-político ou a um político de segunda ou terceira linha,  para fazerem um comentário de 15 ou vinte minutos, uma avença maior do que o salário mensal dum ministro.

Acresce que os comentadores parecem ser tanto mais valorizados quanto disserem mal dos políticos no ativo.

Há algo de profundamente errado nesta história toda, que mostra um dos esquemas utilizados pela comunicação social para controlar o poder político.

Todos os dias há pedidos para se saber tudo sobre os dinheiros dos políticos, pois bem eu acho que é tempo de sabermos quanto ganham o professor Marcelo na TVI ou o Dr Marques Mendes na SIC, aposto que ganham mais do que ganhariam se fossem ministros.

Parece ser muito mais lucrativo ser um político falhado com jeito para a televisão do que ser um político ativo.

Se os portugueses se interessassem pela política tão pouco, como os comentadores se esforçam por fazer crer, também deveria haver pouco interesse em ouvi-los falar sobre um coisa porque ninguém se interessa.

O facto de as televisões pagarem tão bem aos comentadores é por si só uma prova de que as pessoas se interessam em ouvir falar de política.

Os comentadores deveriam alterar os seus discursos pois se continuarem a falar mal da política pode acontecer que as pessoas acreditem neles e deixem de os ouvir, acabando por destruir o seu próprio negócio.

Os políticos por seu turno levam demasiado esses comentários e não vêm que são apenas uma forma de umas pessoas com pouco jeito para a política ganharem bom dinheiro à sua custa.

Aos políticos não se permite nada mas os comentadores podem dar palpites errados, fazer  previsões que se revelam desastradas e seguirem em frente com toda a ligeireza.

Deve haver uma lógica nisto, mas este é um dos casos em que a lógica tem pouca lógica.Redação Gazeta da Beira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.