Gorete Silva

Sever do Vouga

Sever do Vouga teus arredores…

Assim começa o nosso hino,

Uma encantada vila,

Num Portugal pequenino.

 

Conquista de visigodos,

Nos Inícios do séc. VI (seis),

E o Conde de Sevéri,

Aqui instalou seus quarteis.

 

A sua linhagem cresceu,

Por séculos e décadas passados,

Mas o nome permaneceu,

E de nome Sever foi chamado.

 

Nascido na Serra da Lapa,

No vale, bem lá no fundo,

Passava por lá o Vouga,

Que juntaram seus nomes p’ro mundo!

 

Eis que em 1514,

Um Pelourinho aqui se ergueu,

Foi D. Manuel I,

A Nós o Foral concedeu!

 

Quinhentos e um anos passados,

E ao longo dos tempos cresceu,

A vila de Sever do Vouga,

Ano a Ano se desenvolveu.

 

Casas erguidas,

Pontes criadas,

Caminhos feitos,

Estradas rasgadas.

 

E na linha férrea, sobre os carris,

Movido a carvão mas sempre apressado,

Baloiçando as cabeças dos seus passageiros,

Passava o Vouguinha,“Chancas” por nós chamado!

 

Os anos vão passando,

E as memórias vão ficando,

Do Vouguinha só lembrança,

Mas o tempo passado não cansa!

 

Mas hoje podemos dizer,

Que temos do que nos orgulhar,

Somos um povo de bem,

E de nós se ouve falar!

 

Pelas festas e Romarias,

Pela aventura e diversão,

Também pelos nossos mirtilos,

Que nos está no coração!

 

Pelas feiras e iguarias,

Pelo nosso Bem servir,

Seja Vitela ou Lampreia,

De tudo o que nos surgir!

Espaços abertos encantados,

Para se usufruir,

Parques, Jardins e Cascatas,

E a tranquilidade de nós faz haurir!Redação Gazeta da Beira