Francisco Queirós

Cristianismo, Uma religião perseguida!

Não são uma causa mediática para os meios “bem-pensantes” do politicamente correcto do Ocidente, mas os cristãos voltaram a ser em 2016 das pessoas mais perseguidas do planeta. Esmagados entre a agressividade do Islão político e a violência do comunismo ressurgente, os seguidores de Cristo por esse mundo tampouco encontram consolo e amparo no Ocidente, que ignora quase totalmente o seu sofrimento.

O centenário das aparições de Fátima aproxima-se e o mundo cristão mobiliza-se para comparecer nas celebrações. No entanto, só mesmo nos tempos da Roma pagã ou no auge do comunismo estalinista a perseguição aos cristãos atingiu os níveis de hoje.

Os recentes atentados contras Igrejas e centros de culto, sobretudo em países de maioria muçulmana, é apenas mais um exemplo da perseguição constante aos milhões de fiéis que vivem fora do Ocidente. Centenas de fieis de Cristo têm sido assassinados de forma bárbara.

Para os cristãos que praticam a sua religião fora da Europa e da América, a Páscoa é sempre um período de ansiedade, visto que os extremistas islâmicos se habituaram a marcar a festa maior do Cristianismo com ataques sangrentos a locais de culto.

A Igreja Católica, as várias Igrejas Protestantes, as Nações Unidas e muitas organizações de acompanhamento alertam para a realidade da perseguição e violência de que são alvo os cristãos no mundo há muitos anos.

Em 2011, o Papa Bento XVI fez um aviso solene sobre o actual martírio dos cristãos. E a Chanceler Angela Merkel chegou a afirmar em 2012 que o Cristianismo era “a religião mais perseguida em todo o mundo”, mas foi quase imediatamente censurada pela esquerda “politicamente correcta”. A generalidade dos políticos do Ocidente nem sequer ousa tocar no assunto, apesar de a violência anti-cristã estar a começar a bater às suas portas. A típica cobardia do politicamente correcto!

Mais de 130 países na lista negra

Em 2016, a situação do Cristianismo no mundo continua a ser dramática, e os números que começamos agora a conhecer reflectem essa realidade. O número de mortos varia consoante o método escolhido para fazer esta tenebrosa contabilidade. As estimativas menos pessimistas apontam para sete mil mortos, total que apenas inclui o número de cristãos executados pela sua crença, e que estão legalmente identificados. Mas organizações como o Centro de Estudos de Religião, baseado em Turim, referem um balanço muito mais elevado de 90 mil cristãos mortos em 2016 quando se incluem os conflitos tribais em África, onde exércitos muçulmanos atacam regularmente aldeias cristãs, sendo o grupo islâmico Boko Haram apenas um dos exércitos mais célebres. O que é certo é que mais de 200 milhões de cristãos, cerca de um em cada 12 crentes, se encontram actualmente em situação de perigo apenas por seguirem a mensagem de Cristo.

As imagens que nos chegam do Médio Oriente, da China e de África são aterradoras: crucificações, igrejas a arder, escravatura sexual das mulheres cristãs capturadas, decapitações, pessoas queimadas vivas, espancamentos públicos e várias humilhações, há um pouco de tudo.

Dados recentes e amplamente fiáveis dão conta que os cristãos são activamente perseguidos em 130 países do mundo, e em 104 deles a perseguição tem o apoio directo ou indirecto dos seus governantes! Falamos sobretudo de Estados Islâmicos Radicais e republicas Comunistas.

Entre os piores casos, em 15º lugar, encontra-se também a Índia, terra de missionação de Madre Teresa, onde uma nova força anti-cristã, o hinduísmo radical, começa a mostrar a sua força. Apesar de o conflito entre muçulmanos e hindus receber o principal foco mediático, os cristãos neste país estão a ser vítimas de um ataque cerrado dos militantes do actual partido no poder, que defende a supremacia dos hindus sobre os cristãos.

Mundial no Qatar…

Face a este cenário de terror, o Ocidente mantém uma estranha complacência para com países onde se praticam as maiores atrocidades sobre cristãos. Em alguns casos, os Estados e organizações ocidentais tornam-se mesmo cúmplices desses países.

O Campeonato Mundial de Futebol de 2022, por exemplo, vai-se realizar no Qatar, um país que se encontra no topo da lista de países que matam e perseguem cristãos pela sua fé. E muitos países constantes da mesma lista negra patrocinam e compram empresas no Ocidente supostamente cristão para financiar os seus regimes. Em Portugal existe um partido representado na Assembleia da República que defende a Coreia do Norte, o Estado que persegue de forma mais feroz o Cristianismo, e que tenta desculpar a brutal repressão na China, o país que caminha para ser a Nação com mais crentes no Cristianismo no mundo, apesar da perseguição feroz do regime.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.