Francisco Queirós

Páscoa, 25 de Abril e a Posição dos Cristãos na Sociedade…

Ed653-FranciscoQueiros_opiniaoOs Cristãos como membros de uma Comunidade Religiosa assumem a vivência de uma Fé (concretizada por uma lado na ideia de que as coisas visíveis provêm das coisas não visíveis, por outro lado numa firme esperança de realidades que não se vêm mas se esperam com total certeza) que tem de ser prática, profundamente prática: como pode algum dizer que Ama a Deus se não é capaz de reconhecer a Cristo na pessoa de cada semelhante e não é capaz de colocar os seus “Talentos” (a razão, a inteligência, a saúde física/psíquica e espiritual, capacidade de amar, etc.) ao serviço de si mesmo e dos outros? Não pode, como é óbvio: trata-se de um imenso absurdo; uma Fé sem sentido!

No pós 25 de Abril a “Reacção” procurou convencer o nosso Povo de que a Revolução, os seus Ideais, Princípios, Ideologia e Modelo de Sociedade seriam de forma a destruir o Edifício Religioso que caracteriza desde sempre a Nação. Nada mais falso… Vou ser polémico, mas em Consciência afirmo:

1) Infelizmente a Igreja ao longo da sua peregrinação na Terra muitas vezes e de muitos modos comportou-se de uma forma totalmente contraditória com os Princípios Evangélicos que devem Nortear e com toda a Mensagem e Ensinamentos de Cristo. A Busca do Poder, da Riqueza, da Opulência de que deu e dá mostras em nada se adequa aos Valores Essenciais da Paradigma Religioso em que se baseia! Naturalmente que muito bem foi e continua a ser feito com o Suporte da Igreja Católica: o assistencialismo, a caridade, as obras de apoios aos sectores mais frágeis da sociedade, o ensino, a ciência, etc. são exemplos de um contributo enorme para pessoas e sociedade que lhe devemos.

2) Os objectivos de Abril (os Objectivos, porque a prática foi e é a que conhecemos…) colheriam maior simpatia de Jesus que a praxis da Cristandade em geral, da Igreja em particular!

O que é ser Cristão hoje? De que lado da História e da Sociedade deverá colocar-se?

Como sabemos os Fariseus criticavam violentamente a Cristo por conviver e comer com os que consideravam pecadores (prostitutas, gente desonesta, ladrões, etc.). São bem conhecidas as Parábolas da Ovelha Tresmalhada (“se um de vós tiver 100 ovelhas e perder uma não deixará as demais 99 para procurar a que se perdeu? E não convidará todos a alegrarem-se com ele quando a encontrar?”) & do Filho Pródigo em que o Pai (que simboliza a Deus e todo o seu Amor e Misericórdia) perdoa a um Filho que tudo lhe tida desbaratado numa vida dissoluta; Onde deve estar então o Cristão? Numa postura Farisaica colocando de parte os que se julga indignos de se aproximarem de Deus e nós mesmo? Ou do lado de quem mais precisa de ser ouvido, compreendido, ajudado, perdoado, etc.? Quem se diz discípulo de Cristo e da sua Igreja tem de saber a Resposta e pô-la em prática! De outro modo escusa de dizer-se religioso e dotado de Fé porque mente (o que é Pecado!) e apenas vive uma religiosidade de fachada: cumpre os preceitos (muitos deles sem sentido e utilidade alguma!), mas não a vive no seu íntimo!

Onde alguém seja agredido e despojado da sua Dignidade…

Onde alguém procure um lugar para viver, um trabalho decente e uma mão amiga…

Onde alguém não tenha senão a rua para viver e a água dos aquedutos e esgotos para se lavar…

Onde haja um recém-nascido que grita de forme e seus pais nada tenham para lhe dar…

É aí que têm de estar os Cristãos em acção e foi para combater todas estas formas de “terrorismo humano e social” que Abril se fez!

Afinal o Cristão activo e congruente com a sua Fé pode muito bem Inspirara-se e Inserir-se no Espírito de Abril!Redação Gazeta da Beira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.