Em Foco 724

Faleceu D. Manuel Martins o bispo dos pobres

Faleceu aos 90 anos de idade D. Manuel Martins, bispo emérito de Setúbal. Foi o primeiro bispo nomeado para a então recém-criada Diocese de Setúbal, onde iniciou o seu ministério episcopal no dia 26 de outubro de 1975.

O falecido bispo nasceu a 20 de janeiro de 1927, em Leça do Balio, concelho de Matosinhos; foi ordenado sacerdote em 1951, após a formação nos seminários do Porto, seguindo-se a frequência do curso de Direito Canónico na Universidade Gregoriana, em Roma.

Pároco da Cedofeita, no Porto, entre 1960 e 1969, D. Manuel Martins foi nomeado vigário-geral da diocese nortenha em 1969, antes de seguir para Setúbal.

No dia 23 de abril de 1998, o Papa João Paulo II aceitou o seu pedido de resignação ao cargo.

O bispo emérito foi agraciado com a grã-cruz da Ordem de Cristo, durante as comemorações do 10 de junho de 2007, em Setúbal, e com o galardão dos Direitos Humanos da Assembleia da República, a 10 de dezembro de 2008.

  1. Manuel Martins foi a voz que se ergueu em plena crise na Península de Setúbal, nos anos 80, para denunciar os salários em atraso, o desemprego e a fome que atingia milhares de famílias.

O presidente da República Portuguesa lamentou a morte de D. Manuel Martins, recordando-o como um homem “sempre atento à luta pela liberdade”.

“O senhor Dom Manuel Martins, representou, para a Igreja Portuguesa, a projeção da linhagem do senhor Dom António Ferreira Gomes no mundo do trabalho, em áreas sociais particularmente complexas, sempre atento à luta pela liberdade contra a opressão e pela igualdade contra a injustiça. Em homenagem ao princípio da dignidade da pessoa”, escreve Marcelo Rebelo de Sousa, numa mensagem divulgada pela Presidência da República.

“Ao dar vida aos princípios evangélicos, em tempos de crise e de enormes desafios comunitários, não serviu apenas a Igreja Católica, serviu Portugal”, defendeu o chefe de Estado.

“O Presidente da República evoca, com saudosa e respeitosa amizade, uma personalidade singular, que tudo fez na sua vida para contribuir para um Portugal mais livre e mais justo, e, por isso, mais democrático”, conclui a mensagem de condolências.

A Câmara Municipal de Setúbal decretou dois dias de luto municipal pelo falecimento de D. Manuel Martins, primeiro bispo sadino.

“O bispo de Setúbal D. Manuel Martins fica para sempre na memória de todos os setubalenses e de todos os portugueses como o homem justo que sempre soube de que lado deveria estar: do lado dos mais desfavorecidos, do lado daqueles por quem sempre lutou, por quem sempre levantou a voz e por quem sempre estava disposto a sacrificar-se”, assinala a presidente da Câmara Municipal de Setúbal, em nota divulgada pela autarquia.

A presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Maria das Dores Meira, sublinhou que “o ‘bispo vermelho’, como foi chamado, esteve sempre no lado certo da história” e que será recordado “pela sua lucidez, humanismo, sentido de justiça e sentido de humor”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.