EDITORIAL 719

VII Conferência Internacional da Via Campesina, um marco na luta pela soberania alimentar

Alimentamos nossos povos e construímos movimento para mudar o mundo! Este é o tema da VII Conferência Internacional da Via Campesina que decorrerá no País Vasco de 16 a 24 de Julho.

Prevê-se que nele participem centenas de homens e mulheres do movimento internacional da Via Campesina, segundo comunicado de imprensa divulgado pela Via Campesina.

A Conferencia Internacional da Via Campesina realiza-se de quatro em quatro anos é um momento de extrema importância para a luta dos camponeses e das camponesas de todo o mundo. Aí se faz o debate e se decidem estratégias colectivas para o crescimento de um movimento que já representa cerca de 200 milhões de camponeses e camponesas, pequenos e médios produtores, povos sem terra, indígenas, migrantes e trabalhadores agrícolas de todo o mundo.

Durante uma semana, en Derio, País Vasco, estarão em debate temas como: As experiencias locais levadas a cabo pelo movimento bem como acções de defesa, junto da ONU da Declaração dos direitos dos camponeses e das camponesas e de outras pessoas que trabalham em zonas rurais, e em defesas de um instrumento internacional jurídico vinculativo contra o abuso de empresas internacionais.

De acordo com o referido comunicado será ainda o momento das diversas regiões da Via Campesina apresentarem as suas lutas, como a União Europeia por uma nova política agrícola comum e contra a concentração de terras; A África pela soberania das suas sementes; A América Latina por uma reforma agraria popular e contar o grande capital; As regiões da Ásia as suas campanhas contra os tratados de livre comércio, os OGM e o desafio que muitas das suas zonas enfrentam face o aumento do nível do mar por efeitos das alterações climáticas.

Será dado um grande enfoque a temas como o impacto dos tratados de livre comércio, a soberania alimentar e as patentes de sementes,

Serão apresentadas propostas para evitar e mitigar as alterações climáticas bem como a apresentação de escolas de agroecología como forma de contribuir para a Soberania Alimentar nos territórios. Haverá eventos abertos ao público, previstos para 19 de Julho en Derio (por ocasião da abertura da Conferência) e a 23 de julio uma marcha de Derio até à Plaza Nueva de Bilbao, donde se realizará um acto político público.

Num momento histórico no qual, por um lado se reforça a importância das cadeias curtas de produtos alimentares, na opinião pública, mas que por outro lado, se intensificam os atropelos a nível global contra comunidades camponesas, as conclusões desta conferência são aguardadas como um avanço significativo na luta pela Soberania Alimentar e pelo fortalecimento do trabalho que leva a cabo a Via Campesina pela concretização dos direitos dos camponeses e das camponesas, pela paz e pela justiça nas suas comunidades e no mundo.

FIAN Portugal já tem reconhecimento internacional

No âmbito desta luta pela soberania alimentar em que se inscreve também a luta pelo direito humano à alimentação adequada foi recentemente criada a FIAN Portugal tendo já sido reconhecida pela FIAN Internacional.

Fundada em 1986, a FIAN Internacional está presente em cerca de 50 países, com delegações nacionais, coordenações e grupos-semente consolidados em diversos países como Alemanha, Áustria, Bélgica, Brasil, Burkina Faso, Colômbia, Equador, Filipinas, Gana, Honduras, Índia, Indonésia, México, Nepal, Paraguai, Suécia, Suíça e Zâmbia.

Em 30 anos de história, a FIAN trabalhou diretamente com mais de 700 casos a nível internacional, assessorando agricultores/as familiares, povos e comunidades tradicionais e movimentos populares na defesa dos direitos humanos, em especial do DHANA.

A FIAN Internacional também possui “status” consultivo junto ao Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) e participação ativa em órgãos internacionais como a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura) e no Sistema Interamericano de Direitos Humanos da OEA (Organização dos Estados Americanos).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.