Livro sobre o pastel de Vouzela apresentado no dia 29 de julho, “Doce Vouzela” com balanço positivo

Publicação conta a história do ex libris da doçaria do concelho e continua a atrair muitas pessoas a Vouzela

Publicação conta a história do ex libris da doçaria do concelho

Livro sobre o pastel de Vouzela foi apresentado no dia 29 de julho

No âmbito do programa do IX Festival de Doçaria “Doce Vouzela”, realizou-se no dia 29 de julho, a apresentação do livro sobre o pastel de Vouzela., intitulado “O Pastel de Vouzela em Livro”.

A Igreja Matriz de Vouzela foi pequena para acolher todos aqueles que se quiseram associar à sessão de lançamento que contou ainda com a presença de Miguel Poiares Maduro, ex-Ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, de António Leitão Amaro, ex-Secretário de Estado da Administração Local e de Nuno Martinho, Secretário Executivo da CIM Viseu Dão Lafões.

Satisfeito com a edição, Rui Ladeira, Presidente da Câmara Municipal  de Vouzela, considera valioso o trabalho desenvolvido e “uma publicac?a?o que dignifica e valoriza a nossa doc?aria e em especial o Pastel de Vouzela, dando-lhe visibilidade e colocando-o no patamar que merece”. Para o autarca, “mais importante do que falarmos da sua história é enaltecer o trabalho de quem produz o pastel de Vouzela e por isso, hoje, o destaque vai naturalmente, também, para os produtores aqui presentes Vítor Correia, Joaquim Rodrigues e Patrício Sequeira em representação de Fernando Cardoso.

Também o papel dos produtores foi amplamente reforçado por Pedro Machado, Presidente da Turismo Centro de Portugal e por Maria de Lourdes Modesto, célebre gastrónoma portuguesa e apreciadora dos pasteis de Vouzela, que ambos consideraram um “diamante” da doçaria nacional.

Maria de Lourdes Modesto felicitou ainda os vouzelenses pelo cuidado que têm tido na sua preservação e por  continuarem a manter a qualidade na confeção deste doce conventual.

 

Um segredo bem guardado

Segundo a autora do livro, Maria Celeste Carvalho, o pastel de Vouzela continua a ser um segredo bem guardado “e permanece nas mãos de quem o confeciona”. O livro nasce com a vontade de conhecer melhor esse segredo e a história por detrás desta iguaria de origem conventual, esclareceu.

“A publicação é o resultado de uma parte da investigação recolhida para a criação da Rota do Pastel de Vouzella, inaugurada  em agosto de 2014 e promovida pela Casa Museu”.

Para Daniel Melo, autor, a história do pastel de Vouzela não é algo que tenha um registo escrito, “é uma tradição oral passada de geração em geração”, daí resultando dificuldade e complexidade na investigação que ambos os autores efetuaram.

Foram consultados os registos paroquiais, o arquivo da imprensa local e realizadas dezenas de entrevistas às pessoas que ainda conservavam na memória “a tradição suficientemente sólida que ligava a confeção do pastel à sua origem conventual. Foram estas entrevistas que nos forneceram a linha que nos permitiu cozer os pequenos retalhos de informação documental desta investigação que está apenas no começo”, adiantou Daniel Melo.

O livro está à venda e pode ser adquirido no Posto de Turismo de Vouzela.

 

Vouzela recebeu no passado fim de semana, dias 29 e 30 de julho, a nona edição do Festival de Doçaria, numa iniciativa promovida pela Câmara Municipal, com o apoio da Escola Profissional de Vouzela.

Pela Alameda D. Duarte de Almeida passaram mais de três mil pessoas atraídas pelas iguarias confecionadas pelos 18 produtores da região presentes no festival. Para além dos caladinhos, gemas, belindres, cavacas e folar de Vouzela, também o mel, compotas e licores fizeram as delícias de quem passou pelo certame. No entanto, os pasteis de Vouzela continuam a ser os doces mais afamados e apreciados de toda a doçaria do concelho e por isso aqueles que registam maior procura entre os visitantes e turistas.

Paralelamente aos stands de doces, o Festival de Doçaria contou também com um vasto programa de animação, com as atuações da Filarmónica Verdi Cambrense, dos Crassh, do Grupo de Bombos de Cercosa, do Grupo de Concertinas de Alcofra, dos Mimos Dixie Band e de Mico da Câmara Pereira. Para além da música, houve ainda um workshop, magia, insufláveis, pinturas faciais e comboio turístico.

Para o Presidente da Câmara de Vouzela, Rui Ladeira, o balanço foi muito positivo, “não só pela promoção do concelho a nível regional, mas principalmente por uma vez mais ficar demonstrada a qualidade da doçaria da região de Lafões que tantas pessoas trouxe a Vouzela durante o fim de semana. Também os produtores nos transmitiram que as suas expetativas foram superadas, facto que, naturalmente, nos deixa satisfeitos”.

Embora seja difícil de contabilizar a iniciativa a nível de público, Rui Ladeira referiu que passaram pela vila de Vouzela mais de três mil pessoas que vieram ao festival, visitaram os cafés, pastelarias e outros estabelecimentos comerciais da vila e assistiram aos concertos de música”, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.