Carlos Vieira e Castro

Em Viseu, a propaganda passa, a obra fica... por fazer (nem bem, nem mal)

Muita gente se surpreendeu com a remodelação da equipa com que o PSD se candidata à Câmara Municipal de Viseu. No entanto, nada me pareceu mais natural. Almeida Henriques livra-se de Guilherme Almeida, o lastro deixado por Ruas à frente da concelhia de Viseu do PSD, entretanto já substituído pelo seu vice na Câmara; a vereadora da Cultura, Odete Paiva, dá o lugar ao actual assessor, Jorge Sobrado. E haverá algo de mais natural do que levar para o executivo o responsável pela única coisa que Almeida Henriques fez bem durante estes quatro anos: a propaganda?!… Será que a Cultura vai rimar com propaganda, à maneira de António Ferro?…

Por outro lado, esta promoção de Jorge Sobrado será (seria, já que é provável que não seja eleito, caso Fernando Figueiredo, o candidato do Bloco de Esquerda à Câmara, consiga ser eleito vereador), uma forma de compensar uma dedicação que já vem dos tempos em que era assessor do ex-secretário de Estado, Almeida Henriques.

Recordo que em 10.07.2013, a então presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, anunciou que despedira na véspera o assessor Jorge Sobrado, contratado, um mês antes, para o seu gabinete, devido a ter tido conhecimento de que estaria a dar apoio à candidatura autárquica de Almeida Henriques, que entretanto deixara o lugar de secretário de Estado do Desenvolvimento Regional para reassumir o de deputado e preparar-se para suceder a Fernando Ruas à frente da Câmara de Viseu. Esta promiscuidade de funções foi alertada por deputados do PS e do CDS, eleitos por Viseu, que se queixaram do seu adversário usar meios do Estado para fazer campanha, já que o nome de Jorge Sobrado aparecia a assinar comunicados da candidatura de Almeida Henriques à autarquia de Viseu. Jorge Sobrado negou qualquer colaboração “formal ou informal” na campanha eleitoral de Almeida Henriques, admitindo que a sua conta de email estivesse a ser “usada por outras pessoas próximas ”assegurando que apenas tinha com este uma relação cordial e que só colaborava com a Assembleia da República. A verdade é que Almeida Henriques trouxe-o ao colo para Viseu. Rapidamente passou a ser Almeida Henriques a andar ao colo da propaganda congeminada pelo seu adjunto.

Jorge Sobrado tem tido um papel “de primeira água” na propaganda da Câmara Municipal de Viseu. A sua criatividade, por vezes algo histriónica, tem substituído, com alguma eficácia, a falta de obra concreta de Almeida Henriques. Este, como prova do seu reconhecimento, indigitou Sobrado para gestor da Viseu Marca, com a Feira de S. Mateus a seu cargo. E querem melhor prova da criatividade de Sobrado do que a cerimónia “hollywoodesca” com que assinalou a meta do milhão de visitantes da Feira de S. Mateus, no ano passado, cirurgicamente preparada para coincidir com o concerto de Sérgio Godinho e Jorge Palma, previamente avisados para não se assustarem com o fogo que iria jorrar de ambos os lados do palco e com a festa comandada pelos ecrãs laterais?… Nem Filipe La Féria faria melhor!

Este ano, Jorge Sobrado, começou por anunciar com bastante antecedência o concerto de Seu Jorge na Feira de S. Mateus, prometendo o maior cartaz de sempre. Vai-se a ver e tirando o cantor e compositor brasileiro, é tudo “mais do mesmo”. Nada de novo para nos surpreender, a nível de programação. Já quanto ao resto da Feira, a ver vamos…

 

P.S. (salvo seja!): O autor deixa aqui a sua declaração de interesse: é candidato na lista do BE à Câmara Municipal de Viseu, encabeçada por Fernando B. Figueiredo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.