Bancada do PSD não quer revisão do PDM feita às pressas

Vítor Figueiredo sublinha que a revisão é urgente para o futuro do concelho

Desde que chegou ao cargo de Presidente da Câmara, Vítor Figueiredo vê na revisão do PDM uma prioridade. Quase dois anos depois, na última Assembleia Municipal, o autarca volta a reforçar a importância desta revisão e diz que quer a curto prazo resoluções. Já Mónica Almeida da bancada social-democrata salienta que há assuntos importantes que devem ser revistos e deixa o aviso: “mais do que fazer uma revisão muito rápida é importante fazê-la bem”.

12038327_549100115259075_4378281643870938185_nO Plano Diretor Municipal esteve em destaque na última Assembleia Municipal, realizada em Pinho, no passado dia 14 de setembro, com Ferreira Gomes a dar conhecimento de uma reunião da comissão de acompanhamento do PDM. O deputado socialista sublinhou que “a nova cronologia aponta para a aprovação do parecer final da comissão de acompanhamento no mês de abril de 2016, devendo o processo estar terminado em finais do próximo ano”.

Mónica Almeida mostrou reticências. “Será que vamos conseguir cumprir este “timing” sem vertermos erros?”, questionou. A social-democrata considera importante que seja feita uma revisão da Carta Administrativa Oficial de Portugal, ou seja dos limites entre as freguesias e S. Pedro do Sul e os concelhos limítrofes. “Toda a gente sabe que os limites com as freguesias e com os concelhos vizinhos estão errados”, defendeu.

Em resposta, Vítor Figueiredo disse que o PDM em S. Pedro do Sul não era revisto há mais de 20 anos e salientou “a complexidade que a revisão do PDM tem, estando, há quase dois anos, técnicos superiores a trabalhar especificamente no projeto, sendo que já foram gastos largas dezenas de milhares de euros”. O autarca destacou a importância de a curto prazo concluir a revisão do PDM, pois, dependente deste, está, por exemplo, a construção do novo parque industrial. Por isso, defende que que “embora a CAOP seja importante, não é mais importante que a revisão do PDM”.

Mónica Almeida voltou à carga e recordou que há já um levantamento feito daquilo que está mal. “Mais do que fazer uma revisão muito rápida é importante fazê-la”, rematou a deputada que revela ainda preocupação com a revisão do regime florestal.

Para Vítor Figueiredo, “não se consegue mexer no PDM e rever tudo à primeira, há muita coisa que vai ficar de fora e nós temos consciências disso.” O Presidente da Câmara admitiu ainda, que depois de aprovar a revisão do PDM, o Município poderá avançar com algumas alterações pontuais.Redação Gazeta da Beira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.