aGim marcou presença na Frutitec/Hortitec

Ed649_frutitec2O Cluster dos Pequenos Frutos marcou presença na Frutitec/Hortitec, que decorreu entre 20 e 23 deste mês na Exposalão (Batalha).

Neste certame, um dos maiores do país dedicado ao setor hortofrutícola, marcaram presença a Agim e seis dos seus associados: BFruit, Careplants, Experimentbox, Mirtilusa, Naturalfa e Quinta da Remolha. Todos tiveram oportunidade de dar a conhecer aos visitantes e outros agentes do setor os serviços que oferecem e estabelecer contactos profissionais e firmar negócios para o futuro.

O Cluster dos Pequenos Frutos promoveu, no espaço da Frutitec/Hortitec, um seminário sobre o tema “Produção, comercialização, e organização de produtores de pequenos frutos”, que decorreu nos dias 21 e 22, e que teve sempre lotação esgotada, o que é bem demonstrativo do interesse que a fileira dos pequenos frutos está a cativar a nível nacional.

A qualidade dos oradores também contribuiu para a grande adesão de participantes neste seminário. Além de Sofia Freitas, coordenadora da Agim, e de Sílvia Lemos, técnica desta associação, usaram da palavra Luísa Hipólito e Rocha Fernandes (DRAP-N), Sérgio Martins (DRAP-C), Domingos Santos (FNOP), Fernanda Machado (BFruit), Clara Catarino (Lusomorango), Gonçalo Andrade (Portugal Fresh), Pedro Brás de Oliveira (INIAV), Carmo Martins (COHTN) e José Martino (Espaço Visual).

frutitec3A presença do Cluster dos Pequenos Frutos na Frutitec/Hortitec ficou ainda marcada pela dinamização do espaço da feira através da realização de workshops culinários, que ocorreram todos os dias, e que foram da responsabilidade de Paulo Lúcio (Experimentbox), Pedro Lobo (Quinta da Remolha), e do chef Gonçalo Melo (EFTA) e do chef pasteleiro Luís Ferreira.

A Agim aproveitou também a presença na Frutitec/Hortitec para promover a Feira do Mirtilo, que irá decorrer em Sever do Vouga entre 26 e 29 de junho próximo.

Ao longo de quatro dias, os visitantes da Frutitec/Hortitec puderam ver em exposição sementes; fertilizantes; vasos; embalagens; estufas; sistemas de rega; máquinas e equipamentos para plantar, colher, limpar, pesar, calibrar, embalar, etiquetar, armazenar, transportar e conservar produtos hortícolas e frutícolas; equipamentos para nebulização, brumização e atmosfera controlada; frio e climatização; equipamentos de Logística e transporte de cargas; equipamentos de controlo de medidas; formação; consultoria; software; associações sectoriais; organismos; e imprensa especializada.

O Cluster dos Pequenos Frutos é promovido pela Agim – Associação para os Pequenos Frutos e Inovação Empresarial, tem como co-promotor o COTHN – Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional e como parceiros o INIAV – Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária e a associação PortugalFoods.

 

Visita de estudo “Mirtilo: variáveis de investimento e exploração”

Visita a plantações de mirtilo

A Agim – Associação para os Pequenos Frutos e Inovação Empresarial e a empresa Espaço Visual – Consultores de Engenharia Agronómica, Lda. vão organizar uma visita de estudo a quatro plantações de mirtilos no próximo dia 1 de março de 2014.

A iniciativa, intitulada “Mirtilo: variáveis de investimento e exploração”, vai visitar quatro pomares de mirtilos em diferentes estados de crescimento, nos concelhos de Águeda, S. Pedro do Sul, Vale de Cambra e Sever do Vouga.

Os pequenos frutos (mirtilos, amoras, groselhas, framboesas, etc.), têm um enorme potencial de exportação, estando hoje a atrair muitos jovens agricultores que se estão a instalar na agricultura. Esta é, ainda, uma boa oportunidade para se verificar no terreno as várias técnicas de cultivo e gestão de explorações de mirtilo com enorme sucesso.

A participação tem um custo de 45€ (com IVA) para sócios da Agim e de 65€ (com IVA) para não sócios. Em ambos os casos este valor inclui o transporte em autocarro pelas plantações de mirtilos, almoço e certificado de participação.

Os interessados podem fazer a sua inscrição até dia 27 de fevereiro para os e-mails imprensa@agim.pt, eventos@agim.pt ou sandra.santos@agim.pt

PROGRAMA

8.00 horas: Concentração na sede da Agim (edifício Vougapark).

8.30 horas: Visita à exploração de Óscar Cruz (Águeda). Objetivo: terreno preparado em camalhão e plantação em vaso.

10.40 horas: Visita à exploração de Paulo Paiva (S. Pedro do Sul). Objetivo: modo de produção biológico.

12.15 horas: Almoço.

14.30 horas: Visita à exploração de Rui Coelho (Vale de Cambra). Objetivo: investimentos elevados em melhoramentos fundiários.

16 horas: Visita à exploração de José Sousa (Sever do Vouga). Objetivo: produção em plena produção e antecedente cultural de eucalipto.

18.00 horas: Chegada à Agim (Vougapark).

 

Encerramento do projeto Mirtyllus

Após três anos de execução, o projeto Myrtillus vai apresentar as conclusões finais na próxima sexta-feira, dia 28 de fevereiro, pelas 14 horas, no Centro das Artes e do Espetáculo de Sever do Vouga.

Trata-se de um projeto de I&DT, financiado pela ADI – Agencia de Inovação, e ao abrigo do programa QREN Co-promoção cujo promotor foi a Mirtilusa e que teve como parceiros a Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica, a UTAD, a Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, a AGIM, a Frulact, a Ervital e o instituto de investigação brasileiro, Embrapa.

O projeto Myrtillus consiste no desenvolvimento de novos produtos funcionais a partir do mirtilo e seus subprodutos. Visa a valorização do fruto e de resíduos, numa perspetiva de criação de oportunidades de rentabilização da empresa, e abrange a valorização da fruta fresca e processada com base na sua caracterização biológica e a conversão de resíduos em produtos de elevado valor acrescentado.

O projeto permitiu criar uma nova linha de produtos funcionais de mirtilo. A fruta fresca, produtos derivados e as infusões selecionadas foram caracterizados com enfoque nos compostos polifenólicos antioxidantes, assegurando igualmente os estudos de eficácia e segurança, complementados com estudos de biodisponibilidade.

A necessidade de ampliar a sua produção e comercialização fora do período de colheita sazonal do mirtilo, e acompanhar as tendências de mercado, conduziu a Mirtilusa à necessidade de extensão do seu portfólio com novos produtos de mirtilo com vantagens competitivas e com grande impacto de inovação no consumidor, focalizada na criação de uma linha de produtos com propriedades funcionais validadas, com relevância das suas propriedades antioxidantes. Estes ingredientes ou alimentos ricos em antioxidantes são dirigidos ao controlo ou prevenção de doenças que envolvem degeneração celular, que tem como consequência direta mais comum o envelhecimento celular, e todas as suas consequências sobre a saúde individual e pública.

O projeto, inserido na temática na alimentação funcional, apresenta soluções únicas nos seus objetivos, como as formulações (para tisanas) com base em misturas de folhas e frutos secos com elevada qualidade sensorial e antioxidante com impacto na redução de resíduos e produto de menor qualidade ou os extratos de mirtilo e infusões de folhas e frutos secos com atividade biológica e segurança validada.

O projeto Myrtillus atua na valorização económica de um território de baixa densidade (caso de Sever do Vouga) e tem impacto na diversificação e aumento das linhas de produtos e tecnologias da Mirtilusa, através da colocação no mercado de uma linha completa de produtos funcionais derivados do mirtilo e seus subprodutos com marca comum, que incluirá o próprio fruto (fresco ou preservado através de congelação, secagem ou produção de uma gama de compotas funcionais), ou extratos ou polpas de mirtilo ricos em antioxidantes com propriedades biológicas confirmadas, e formulações de infusões com elevada qualidade sensorial e performance funcional.Redação Gazeta da Beira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.