A Feira da Giesteira em Queirã atinge a Maioridade

XVIII Feira da Vitela de Lafões

699_Vzl_Queira_FeiraVitela-DSC07667

 

Realizou-se nos dias 17, 18 e 19 de junho de 2016 a XVIII edição da Feira da Vitela de Lafões, no recinto de exposições da Giesteira, em Queirã. Um evento organizado pela Junta de Freguesia de Queirã com a parceria da Câmara Municipal e das várias Associações da Freguesia, que revitaliza as tradições da Região de Lafões, tão rica no seu património cultural.

A gastronomia tradicional é um dos principais focos de atração crescente da Região de Lafões, realizando-se este evento há já dezoito anos com o intuito de valorizar os produtos endógenos, oferecendo aos visitantes um vasto programa subordinado à Vitela de Lafões. No dia 17, sexta-feira, pelas 19:30 procedeu-se à abertura oficial da Feira, contando com a presença das entidades convidadas acompanhadas da atuação da Sociedade Musical de Moçâmedes, visita aos quarenta e seis expositores havendo mais tarde a animação do arraial com a atuação do Grupo Musical “Brinco Baile”. O segundo dia, iniciou com o atrativo Concurso Pecuário, onde vinte e sete produtores mostraram trinta e cinco cabeças de gado bovino e caprino e trinta de gado ovino. A noite foi abrilhantada com a atuação do “Grupo de Veteranos da Freguesia de Queirã e suas Harmónicas” e pelo Grupo Musical “Nova Dimensão”.

No último dia, 19, a Feira Mensal foi ponto de encontro para as compras tradicionais, seguindo-se a tarde cultural com a actuação do “Grupo de Trajes e Cantares de Loumão” o Grupo de Cavaquinhos e Cantares à Beira” O Rancho Folclórico e Etnográfico “As Capuchinhas de São Silvestre” e o “Grupo de Danças e Cantares de Vila Maior “. Às 21,30 o Grupo Musical “Panorama” abriu o baile que se prolongou noite dentro.

Para além de promover os manjares regionais, esta festividade enaltece o potencial da nossa região, estimulando o turismo, dando a conhecer, com o intuito de preservar, uma Freguesia com um vasto Património.

Numa sociedade atual que deixa perecer as identidades regionais, é imperativo fazer prevalecer as tradições que caracterizam e distinguem a nossa zona.Redação Gazeta da Beira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.