EDITORIAL 734

A hora da Pequena Agricultura Familiar

• Redação

Segundo os resultados de um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), 22% dos portugueses têm obesidade e 34% pré-obesidade. Ou seja, seis em cada dez portugueses (60% da população) são pré-obesos ou obesos.

Segundo Andreia Oliveira, investigadora da Unidade de Investigação em Epidemiologia, as prevalências de obesidade estão a aumentar consideravelmente em todo o mundo, podendo a situação daqui a uns anos tornar-se “mesmo caótica”.

Na semana passada, em entrevista ao Público, José Graziano da silva, diretor-geral da FAO, foi no mesmo sentido: “neste momento, nos países de renda média e alta, preocupa-nos mais o problema da obesidade do que o da fome”. Lamentavelmente, a fome ainda subsiste no nosso país. Não podemos esquecer, por exemplo, as crianças que tomam nas escolas portuguesas a sua única refeição do dia.

De uma forma ou de outra, a conclusão é a de que existe, no nosso país, um grave problema de alimentação inadequada, a enfrentar por quem tem responsabilidades políticas.

“Nós desenvolvemos sistemas alimentares fortemente concentrados nas cadeias agroalimentares. Agora quem alimenta o mundo são as grandes agroindústrias. Temos de mudar isso”, afirma o alto responsável da FAO.

Ora a Pequena Agricultura Familiar já fornece grande diversidade de alimentos, frescos e em proximidade. Deverá fazê-lo cada vez mais.

Em Portugal, 284.000 mil explorações agrícolas são familiares, o que representa 93% do total das explorações, 49% da Superfície Agrícola Utilizada e mais de 80% do trabalho total agrícola. As pequenas explorações representam mais de 90% do número dessas explorações agrícolas familiares. Têm, portanto, uma enorme valia económica, ambiental e social.

É muito importante o novo Estatuto da Agricultura Familiar, ainda em preparação, cujo debate público terminou no final de janeiro.

Veremos o que vai resultar do processo de participação pública.

Urge agora criar uma Lei de Bases do Direito à Alimentação Adequada, um doploma que já existe em diversos países.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.