Destaque (Ed. 687)

Vítor Figueiredo será recandidato às próxima autárquicas

Oposição considera recandidatura precipitada

Vítor Figueiredo será recandidato às próxima autárquicas

O mandato ainda só vai a meio, mas Vítor Figueiredo já decidiu. Em 2017 volta a ser candidato à Câmara Municipal de S. Pedro do Sul, para terminar o que começou. O anúncio foi feito no passado dia 29 de outubro, numa conferência de imprensa de balanço dos dois anos do mandato autárquico.

vf

Quando interpelado pelos jornalistas, se iria ou não recandidatar-se ao cargo de presidente da Câmara em 2017, Vítor Figueiredo não hesitou. “Podem contar com isso. Serei recandidato daqui a dois anos”, garantiu.

O autarca objetiva, “acima de tudo, fazer todas aquelas obras que temos planeadas e agendadas e que não conseguiremos acabar no prazo de dois anos. Como pode calcular, o quadro comunitário de apoio é até 2020 e queremos aproveitar todas as candidaturas que possamos, para realmente desenvolver o nosso concelho”, justificou.

“Deve ser um caso suis generis em Portugal”

A Comissão Política do PSD já reagiu. António Oliveira considerou que o avanço de Vítor Figueiredo “deve ser um caso suis generis em Portugal, um presidente assumir a candidatura dois anos antes, sem saber se vai haver eleições no Partido Socialista, se o Partido Socialista quer que seja ele o Presidente da Câmara”. O presidente da concelhia social-democrata vai mais longe e acrescenta: “não tem lógica um presidente de câmara assumir agora que vais ser recandidato a menos que avance, mesmo sem o apoio do Partido Socialista, como independente”.

Já Adriano Azevedo considera o anúncio precipitado. “Eventualmente pode-se estar a prever alguma agitação interna no seio do partido socialista relativamente a quem serão os candidatos daqui a dois anos”, defende. O atual vereador não quis avançar se em 2017 volta a liderar uma candidatura à Câmara Municipal. “Não antecipamos cenários, temos um timing próprio para tudo e o partido na devida altura decidirá”.

António Oliveira esclarece, o PSD só avança com um candidato depois das eleições da comissão política do concelho em 2016.

“Estávamos à espera que o PSD também anunciassem o seu candidato”

Já Pedro Mouro não entende as críticas da oposição e vira o jogo dizendo que também o PSD deveria ter apresentado um candidato. “Estava à espera que também anunciassem o seu candidato. De facto, já estamos a menos de dois anos das eleições autárquicas e os sampedrenses gostam de atempadamente saber quem são os seus candidatos. O PSD parece que vai ficar para o fim. Não sei se é por ainda não ter um candidato definido, ou, como sabemos e é público, por existir, neste momento, duas fações que poderão estar a disputar a comissão política do PSD”, sublinha o vereador socialista.

———————————————————————————————————

Mais artigos:

Ekaterina, a poeta russa que escreve em língua portuguesa

EDP Barragens Solidárias apoia dois projetos em Lafões

 ARS Nova

Vouzela e S. Pedro do Sul já candidataram a nova ETAR a fundos comunitários
•VougaPark faz balanço do primeiro ano
Todos os anos, o município de Vouzela aposta um milhão no ambiente
• Do sonho a um negócio de sucesso, 19 anos de lutas
Ataques na Serra do Montemuro reabrem o debate
Produzir vinho certificado de Lafões é um serviço público”
Nasce a Rota do Pastel de Vouzella
• Nasce um novo projeto de Teatro em Lafões
CLDS+ apresenta principais linhas de intervenção
Advogado faleceu no passado dia 20, com 83 anos
Vinho Chão do Vale conta com 24 mil litros e quer aumentar a produção
A gastronomia: história, autenticidade e progresso
A Rainha de Valadares
Projeto universitário aproximou a arte dos reclusos
• O homem atrás da câmara
Vitela certificada, uma aposta na qualidade
Pastel de Vouzela – Vouzelenses querem salvaguardar as origens dos seus produtos
Cantigas com alma
Bolsa de terras um exemplo de sucesso
Um retrato de Sever do Vouga
Centro de Emprego Dão Lafões têm novo director adjunto
Concerto de Natal memorável, muito aplaudido pela população

Redação Gazeta da Beira