DESTAQUE (Ed. 653)

Projeto universitário aproximou a arte dos reclusos

Projeto universitário aproximou a arte dos reclusos

• Patrícia Fernandes

Ed653_destaque01Ana Gomes e Vera Matos, estudantes universitárias, conseguiram unir o Museu Grão Vasco ao Estabelecimento Prisional Regional de Viseu. O projeto chama-se “aCorda Liberdade” e nos últimos dois meses levou a arte do museu aos reclusos e a dos reclusos ao museu. Um intercâmbio fora do comum que quis esbater preconceitos e aproximar os reclusos da arte. Na reta final do projeto, a Gazeta da Beira esteve à conversa com as precursoras. Damos agora a conhecer: “aCorda Liberdade”

Duas instituições à partida antagónicas uniram-se no mesmo projecto: “ aCorda Liberdade”. A ideia partiu de duas alunas da licenciatura em Animação Social, da Escola Superior de Educação de Viseu, Ana e Vera, que no âmbito do trabalho final de curso quiseram unir “a parte cultural à parte social”. Como explica Ana Gomes, o projeto consiste na ligação entre o Museu Grão Vasco e o Estabelecimento Prisional Regional de Viseu. No Grão Vasco, semanalmente, “são expostas diversas mostras, onde estão patentes os diversos trabalhos realizados pelos reclusos”; para o Estabelecimento Prisional de Viseu “é levada uma parte do Grão Vasco, através de reproduções de obras do Museu e palestras sobre o museu e a cultura”.

“aCorda Liberdade”, mudou as rotinas dos reclusos do Estabelecimento Prisional Regional de Viseu. A arte passou a preencher-lhe os dias, que antes eram intermináveis. Trabalhos manuais, fotografias tiradas na prisão, cartas… foram muitas as formas de expressão. Criações variadas levadas para o Grão Vasco que deram origem a várias mostras que iam chamando à atenção dos que por lá passaram. Os objetivos são claros: por um lado pretendia-se «levar a arte aos reclusos»; por outro, “consciencializar a sociedade sobre o que é a liberdade de criação, como forma de se ter uma visão diferente dos reclusos e das suas capacidades”. Um projeto diferente que superou claramente as expectativas. Reclusos e público em geral, mostraram-se bastante receptivos. Como acrescenta Vera Matos: “A receptividade dos reclusos foi para nós uma surpresa muito positiva. Têm sido muito participativos, criativos e dedicados a cem por cento. De início, estávamos receosas; contudo, de imediato, esses receios desapareceram e no seu lugar ficou um sentimento de surpresa e de orgulho. Quanto ao diverso público que nos tem visitado, a recetividade tem sido extremamente positiva, conseguimos abranger neste projeto um público muito diversificado, que vai desde os mais pequenos aos seniores”.

Esbater Preconceitos

Ed653_destaque02Concluído o projeto, Ana e Vera já voltaram à sua vida de estudantes com um “sonho por concretizar”. As duas jovens pediram uma autorização para que os reclusos pudessem sair do estabelecimento prisional e visitar o Museu. A autorização foi indeferida. Como conta Ana Gomes, “Só poderiam ir com a autorização da Direcão Geral dos Serviços Prisionais de Lisboa e só poderiam aqueles que já têm sentença. Para aqueles que estão em preventiva teria que ser feito um pedido a cada tribunal, respetivamente. Sendo assim, como apenas dois têm a sentença, consideraram que não se justificava a despesa”. Um objetivo por cumprir que em nada desmerece o projeto. Como acredita Ana Gomes, “ficou um pequeno objetivo por concretizar, mas tudo o resto correu muito bem. Foi muito bom trabalhar com aqueles homens e sabemos que os marcamos de alguma maneira”.

Em alternativa, as duas jovens terminaram o projeto com uma outra iniciativa cheia de simbolismo. Como acrescenta Ana Gomes, “acabamos o estágio com uma pequena palestra, na cadeia, com o Doutor Carlos Vasconcelos, sobre o tema: perseguir os sonhos e os objetivos. No final, conseguimos que autorizassem alguns reclusos a saírem ao pátio. Aí, fizemos uma largada de balões, simbolismo da cor e da liberdade, tal como o titulo do projeto”

Para quem conhece o projeto, como acrescenta a universitária, “todos afirmam ser um assunto muito pertinente e atual, havendo a necessidade da implementação de mais projetos como este”. Como crê Ana Gomes, “acreditamos que todos os reclusos têm, além do direito a serem reintegrados na sociedade, o direito de poder criar algo, serem criativos e crescerem enquanto pessoas culturais. Assim e  dada a pertinência do tema, temos a firme certeza de que projetos deste género ajudam a atenuar os preconceitos que a sociedade cria em relação aos que estão numa situação muito desfavorecida”.

“aCorda Liberdade” chega agora ao fim. Um projeto que conseguiu aproximar os reclusos da arte, dando-lhes a conhecer “a cor de” uma “liberdade” alternativa, afinal, criar permite-os, nem que seja, apenas, virtualmente, “voar” para outros mundos, para além das grandes das celas. Na realidade, o projeto consegiu “acordar” a sociedade para a temática, e contribuiu para esbater preconceitos e ver os reclusos com outros olhos.

—————————————————————————————————————————-

Mais artigos

• O homem atrás da câmara
Vitela certificada, uma aposta na qualidade
Pastel de Vouzela – Vouzelenses querem salvaguardar as origens dos seus produtos
Cantigas com alma
Bolsa de terras um exemplo de sucesso
Um retrato de Sever do Vouga
Centro de Emprego Dão Lafões têm novo director adjunto
Concerto de Natal memorável, muito aplaudido pela população

Redação Gazeta da Beira