Daniel de Melo

Há 100 anos: a conclusão da linha do Vale do Vouga

5 – A inauguração

Ed647_Estação-do-caminho-deEm finais de Janeiro de 1914 estava terminada a construção do caminho-de-ferro do Vale do Vouga. Faltava fazer uma inspecção cuidadosa do último troço construído, para verificar se a linha estava em condições de ser aberta à exploração. Um comboio especial percorreu a 31 de Janeiro o troço Vouzela-Bodiosa em viagem de teste. Foi a primeira composição a passar em S. Pedro do Sul, conforme noticiava, com entusiasmo, o Jornal de Lafões do dia seguinte:

É com a maior satisfação que damos a noticia de que hontem, cerca de 3 horas da tarde passou n’esta villa, em fiscalisação, o primeiro comboio da nossa linha.

N’esse comboio seguia o engenheiro-fiscal do governo, sr. dr. Queiroz, acompanhado do srs. Audigier, engenheiro director da Companhia, Heitz, chefe d’exploração e Emil Rojinsky, chefe de tracção.

Consta-nos que ámanhã ou depois a linha ferrea do Valle do Vouga – a nossa linha ferrea – será fiscalisada pela commissão, nomeada pelo governo para tal fim, sendo em seguida posta á exploração, isto talvez na proxima quinta-feira.

E assim foi. A data de abertura da linha, marcada para quinta-feira, dia 5 de Fevereiro de 1914, foi cumprida. S. Pedro do Sul, localidade onde tinha sido concluída a construção, foi o ponto escolhido para se fazer a inauguração. E o povo acorreu para assistir ao encontro dos dois primeiros comboios a fazerem a ligação entre Espinho e Viseu. O Ecos do Vouga (08-02-1914) deixou-nos um breve relato desse momento histórico:

Com grande concorrencia de pôvo desta vila e freguezias limitrofes, foi inaugurada, na ultima quinta feira, 5 do corrente, a estação nesta vila, do Caminho de Ferro do Vale do Vouga.

O primeiro comboio a entrar na gare foi o de Vizeu ás 13,20 subindo ao ar, nessa ocasião, bastantes foguetes enquanto uma filarmonica executava o hino nacional.

Minutos depois chega o de Espinho conduzindo bastantes passageiros.

O povo invade os carros, a filarmonica rompe com a Marselheza, os comboios põe-se em marcha e o povo debanda.

Desta vila foi bastante gente até Real, e até ao Banho; as carruagens iam à cunha.

Também nas Termas a passagem dos primeiros comboios foi presenciada por muita gente, como relatava o correspondente local para o Jornal de Lafões (15-02-1914):

O facto culminante da semana passada foi a inauguração da linha ferrea do Valle do Vouga.

Esse acontecimento, apezar de esperado já, despertou em todos uma alegria inexprimivel e communicativa.

D’aqui todos os habitantes que as suas occupações não retinham em casa, reuniram na estação, assistindo á passagem dos dois comboios, um dos quaes, o que vinha de S. Pedro, chegou apinhado de gente, que, em grande parte, aqui desembarcou, voltando a pé para S. Pedro.

Foi assim, com grande entusiasmo e muita esperança, que a construção do caminho-de-ferro do Vale do Vouga foi geralmente vivida em S. Pedro do Sul e em toda a região interior servida pelo troço Sernada-Viseu. O comboio teve desde o início os seus inimigos e detractores; chamavam-lhe a linha do vale das voltas e a quarta invasão francesa. Mas o apego da generalidade do povo da região ao seu Vouguinha manteve-se inabalável até ao fim.

• Daniel de Melo

————————————————————————————————————-

Há 100 anos: a conclusão da Linha do Vale do Vouga
• 4 – O fim das obras -Ed. 646
• 3.  A estação das Termas – Ed. 645
• 2. Um atraso – Ed644
• 1. O começo das obras entre Vouzela e Bodiosa – Ed. 643