4 – O fim das obras

Daniel de Melo

646_p02_PonteNegrelosAo terminar o ano de 1913, a construção do último troço da linha do Vale do Vouga estava quase a chegar ao fim. As duas pontes deste segmento, no Pego e no Forno Telheiro, eram as obras que exigiam mais trabalho e que faziam demorar a conclusão da empreitada. Trabalhava-se com grande intensidade, de dia e de noite, conforme relatava o Jornal de Lafões de 21-12-1913:

A ponte do Pego deve estar prompta quando este jornal fôr publicado. Teem trabalhado de noite á luz de acetylene.

Na nossa estação é um verdadeiro enxame de operarios.

A nossa ponte do Forno Telheiro já tem quatro arcos fechados, um quasi fechado, cimbre no 6.º e parte do 7.º. De dia a dia vê-se crescer. Fica em curva e em declive para S. Pedro.

A do Pego, embora mais pequena, é mais bonita que a do Poço de S. Thiago.

São uns artistas de alto merito, estes senhores constructores.

A balastreira do lado de Vizeu já se ouve acima de Negrellos. Do lado de Vouzella o assentamento definitivo já vem perto do Pego, e tambem já se ouve distinctamente a machina. É possivel que hoje já atravesse a ponte.

A Ponte do Pego foi a primeira a ficar terminada. A 04-01-1914 o jornal publicava na primeira página uma fotografia desta obra, acompanhada das seguintes informações:

Esta elegantissima ponte é feita de pedra e cimento, tendo 87,m70 de comprimento e 23 metros de altura. Os arcos são em numero de 10, tendo o principal 46 metros de vão por 23 de altura; os restantes teem 5 de vão por 7 de alto. A Simples (azimbre) principiou a ser construido (arco grande) no dia 20 de novembro, tendo terminado no dia 2 de dezembro. No dia 30 de novembro começou a construcção de pedreiro, tendo terminado no dia 24 do mesmo mez. No dia 29 de dezembro principiou de ser arreada a Simples, devendo terminar  este trabalho no dia 6 do corrente. As guardas da ponte, de cimento armado, principiaram de ser feitas no dia 25 de dezembro, devendo estar concluidas no dia 8 d’este mez. Sobre a ponte passa já o comboio, podendo nós, um dia d’estes, vêl-o atravessar com 8 vagons carregados de balastro.

Para que os dois braços da linha pudessem finalmente encontrar-se, faltava só terminar a Ponte do Forno Telheiro, ou de Negrelos, como sublinhava o mesmo periódico, a 25-01-1914:

A ponte de Negrellos, que por melhor exposição fica muito vistosa, está quasi prompta e da sua conclusão depende o inaugurar-se a linha.

O correspondente de S. Pedro do Sul para o Correio da Beira, de Viseu (28-01-1914), também dava a ponte como quase concluída:

Tem passado já sobre ella a machina balastreira.

Segundo nos dizem, ainda n’este mez será posto á exploração o unico troço de linha que falta, ou seja, de Vouzella a Bodiosa.

S. Pedro do Sul espera com ansiedade tal dia.

As obras terminaram efectivamente antes do fim do mês, mas a abertura à exploração só aconteceria nos primeiros dias do mês seguinte.

 • Daniel de Melo